Bancos digitais chegam para ficar e ameaçam empregos no setor financeiro

Consumidores passam a ter acesso a atendimento e serviços por meio de aplicativos

Nos próximos três anos, a quantidade de bancários em Mato Grosso pode reduzir 21%, segundo análise do Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários do Ramo Financeiro (Seeb-MT).

A porcentagem é uma estimativa que leva em consideração o fechamento de agências, programas de demissões voluntárias e ainda a conversão dos bancos físicos em digitais.

Conforme o presidente do sindicato, Clodoaldo Barbosa, basta as pessoas analisarem os Planos de Desligamento Voluntários que foram lançados nos últimos meses.

Itaú, Bradesco, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal já anunciaram planos mais de uma vez.

Normalmente, os banqueiros escolhem como público-alvo pessoas com mais de 55 anos, as que já possuem idade para se aposentar ou ainda quem tem mais de 20 anos de serviço.

“Fica claro o interesse de desligar os mais velhos, que na visão deles são resistentes às tecnologias e aos processos modernos”, diz o sindicalista.

Além dos programas de demissão, Clodoaldo lembra que muitas agências fecharam por conta de fusões ou instalação de unidades sem atendimento presencial.

Barbosa lembra os casos do Itaú e Unibanco, bem como de Bradesco e HSBC.

“Eles falavam que não havia motivo para ter agências próximas. E, no processo, as demissões foram focadas nos cargos de direção, que custam mais e que não podiam ter dois funcionários na mesma função. O restante foi absorvido em grande parte”.

Mudança de cenário

Segundo o presidente do sindicato, mesmo com a mudança do cenário, que não tem como ser freada, existiriam práticas como o estabelecimento de “metas abusivas” que  sobrecarregariam os trabalhadores que ficaram.

De acordo com Barbosa, nem todos os clientes absorveram o fim do atendimento presencial, o que gera demanda nas poucas agências que sobraram.

“Estamos em conversação com a Fenabran e o assunto está sempre na mesa. Sabemos que não podemos impedir as mudanças, mas estamos negociando e deixando o jurídico da entidade disponível para quem optar pelo PDV”.

O que se ganha com o PDV?

Todos os direitos trabalhistas ficam garantidos mesmo com a aceitação do PDV, exceto o seguro-desemprego.

O presidente do sindicato explica que os bancos estão oferecendo alguns benefícios extras, como plano de saúde por um ano ou mais tempo.

“Além de termos no quadro muitas pessoas que estão cansadas do trabalho, temos também funcionários como síndrome do pânico e outras doenças causadas pelo ambiente bancário. São pessoas que muitas vezes já se afastaram do trabalho por doença e enxergam no PDV uma forma de recomeçar”.

Atualmente, a base de Seeb-MT é formada por cerca de 3,8 mil bancários, e não considera as cooperativas bancárias.

Conheça alguns bancos digitais

Eles prometem o fim da burocracia e fisgam o consumidor pela isenção de taxas. Assim funcionam os bancos digitais, que têm como bandeira a redução da burocracia.

Veja os mais conhecidos:

Agibank – Banco começou a operar em 2010  com o crédito consignado e em 2013 passou a oferecer conta-corrente e cartão de crédito.

Banco Inter – O banco apresenta-se como isento de tarifa. Tem cartões de crédito e débito, além de oferecer soluções para pessoas jurídicas e pequenas empresas.

C6 Bank – O C6 Bank é uma instituição fundada por ex-sócios do banco BTG Pactual. É focada em clientes do segmento premium. Oferece conta digital, cartões de crédito e débito, empréstimos, investimentos, dentre outros serviços bancários.

Mercado Livre – Famosa por sua plataforma de revenda digital de produtos, a empresa passou a concentrar sua atuação em serviços financeiros. A partir de 2019, vai oferecer conta digital, conta-salário e crédito.

Neon – Para ter uma conta no Banco Neon, basta baixar o aplicativo em seu celular e seguir os passos indicados. Também oferece solução para pessoas jurídicas.

Nubank – O Nubank é uma startup criada em 2013 que, inicialmente, oferecia apenas um cartão de crédito sem anuidade. A fintech lançou sua conta digital no final de 2017, a NuConta, e caminha para se transformar em um banco.

PagSeguro – A empresa, que começou como meio de pagamento eletrônico, tem atuação focada em micro e pequenas empresas (PMEs). Oferece conta digital e máquinas de cartão de crédito e débito.

LEIA TAMBÉM:

Do MEI para o Simples: quando a empresa evolui e fica perto de quebrar

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.