Banco terá que pagar R$ 91,6 mil para advogado dispensado sem justificativa

O advogado trabalhava desde 1997 com o banco e foi dispensado sem receber pelo tempo de atuação

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

A juíza Vandymara G.R. Paiva Zanolo, da 4ª Vara Cível de Cuiabá, condenou o Banco do Brasil a pagar R$ 91,6 mil de honorários advocatícios para um advogado que teve o contrato rescindido sem justificativa e antes do término das ações que cuidava. A decisão é do dia 9 de maio e foi disponibilizada no Diário da Justiça Eletrônico de quinta-feira (16).

De acordo com a ação, o advogado atuava junto ao banco desde 1997, por meio de contrato de adesão. Segundo informou, não lhe foi dado o direito de discutir as cláusulas e condições contratuais e, dessa forma, sua remuneração era exclusivamente por meio de honorários advocatícios de sucumbência.

No dia 22 de março de 2013, o banco simplesmente comunicou a rescisão do contrato, obedecendo um prazo de 30 dias. No entanto, conforme o autor da ação, a instituição bancária não ofereceu nenhuma proposta de pagamento dos honorários pelos serviços prestados até então.

O advogado alegou à justiça que atuou em diversos processos pelos longos 16 anos, e que a abrupta rescisão contratual lhe tirou a possibilidade de receber os honorários a que tinha direito.

Por sua vez, o banco alegou que o autor da ação recebeu em todas as ocasiões em que já atuou e que não são devidos quaisquer honorários ao advogado. Ainda, alegou que não recebeu os créditos dos processos citados pelo autor, que somariam mais de R$ 202 bilhões.

Ao analisar o caso, a magistrada observou que o Tribunal de Justiça já se posicionou no sentido de que, em caso de rescisão sem justificativa, em contrato com cláusula de remuneração exclusivamente pela verba de sucumbência, “é devida a remuneração pelo trabalho desempenhado até a rescisão do contrato”.

No entanto, a juíza observou que os cálculos usados pelo advogado para demonstrar o valor a ser recebido pelo banco não teria sido homologado nos autos e que não há decisão judicial que determine a atuação dos valores. Ainda, a magistrada observou que trata-se de processos envolvendo falência, o que dificulta no recebimento do valor.

Dessa forma, a magistrada determinou que o banco pague 8% do valor atualizado da causa ao advogado, considerando os 16 anos de serviço prestado. O montante final ficou em R$ 91.682,88, a ser corrigido pelo INPC, a partir do início da ação, e deverá ser acrescido de juros de mora de 1% ao mês.

Por fim, o banco também terá que arcar com as custas do processo e os honorários de sucumbência, fixados em 10% do valor atualizado desta condenação.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorTJ abre seleção para estagiários com bolsas de até R$ 1,1 mil
Próximo artigoGoverno federal aprova programas de demissão de sete estatais

O LIVRE ADS