Bairro erguido às margens do Rio Paraguai leva governo federal e de MT para a Justiça

O Ibama, a Prefeitura de Cáceres e 35 pessoas também são apontadas como responsáveis por danos ambientais no local

(Foto: Assessoria/ Prefeitura de Cáceres)

Um bairro inteiro localizado em Cáceres, cidade que fica a 220 quilômetros de Cuiabá, fez o Ministério Público Federal (MPF) ingressar com uma ação contra o governo federal, o de Mato Grosso a prefeitura da cidade, o Ibama e 35 pessoas.

Todos são acusados de causar danos ambientais em Área de Preservação Permanente. É que as construções – erguidas desde 1990 – estão às margens do Rio Paraguai.

A grande maioria, segundo o próprio MPF, é de casas para moradia, mas também há uma pousada no local. Elas estão especificamente na quadra 95 – que fica dentro dos 50 metros de área de preservação da Baía da Palha – e nos lotes de 1 a 30, além de outros dois que sequer têm registro no Município.

A área pertencia anteriormente à Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer).

Vários moradores são beneficiários do Programa Bolsa Família e do Auxílio Emergencial, por conta disso, o próprio MPF pediu que a Defensoria Pública da União também atue no caso.

O primeiro registro de ocupação irregular se deu em maio de 1998, quando o presidente da Associação de Moradores da Antiga EMPA informou ao Ministério Público Estadual sobre os conflitos fundiários no local.

Já naquele ano ocorria degradação ambiental e, tanto o Ibama quanto a Fema (atual Secretaria Estadual de Meio Ambiente – Sema/MT), não tomaram providências suficientes sobre o fato, na avaliação do MPF.

Durante os 20 anos seguintes, várias foram as tentativas para regularizar a situação de maneira extrajudicial, porém sem sucesso. Com isso, foi requisitada pelo MPF a confecção de laudos a fim de identificar os responsáveis atuais e judicializar a questão.

(Foto: Reprodução)

Descaso

Segundo o MPF, três são os fatores que levaram os procuradores da República a acionar a União, o Ibama, o governo de Mato Grosso e a Prefeitura de Cáceres, sendo o principal deles a inércia quanto à proteção do meio ambiente.

Os outros dois são a possibilidade de demolição das construções, que os três entes da Federação poderão ser obrigados a executar; e a possível correção por meio da Regularização Fundiária Urbana (REURB), que demanda participação de União, Estado e Município.

Os procuradores ressaltam que é possível a regularização da área por meio da Lei Federal 13.465/2017. Entretanto, deve haver interesse e esforço por parte dos requeridos e não será permitida a regularização individual.

O MPF se colocou à disposição para audiência de conciliação, já que se trata de um caso complexo.

Entre os pedidos que o MPF faz na ação está a fixação de placas nas quadras, em local de grande visibilidade, informando sobre o litígio e alertando aqueles que se sentirem prejudicados a contratar advogados.

Também foi requerido que os cartórios de Cáceres, a Prefeitura e a Secretaria do Patrimônio da União (SPU) monitorem futuros negócios envolvendo os lotes e informem a Justiça no prazo de 15 dias, sob pena de multa diária.

O MPF pediu também tutela provisória para que a pousada comunique aos clientes o fato de não possuir licença ambiental, conscientizando-os quanto à irregularidade do empreendimento.

Por fim, também foi pleiteado que todas as pessoas físicas identificadas informem o passivo ambiental da área a futuros compradores ou locatários dos imóveis, juntando comprovante nos autos, sob pena de multa diária.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSem sintonia política
Próximo artigoGuedes: queda do PIB será menor