Auxílio da União cobriu contas de 24 Estados durante pandemia

Mato Grosso foi o oitavo Estado que mais acumulou recursos em relação à própria receita, com as transferências do governo federal

Foto: José Cruz/Agência Brasil

O auxílio financeiro de R$ 44,4 bilhões transferido pela União para os Estados e o Distrito Federal durante a pandemia de coronavírus superou as perdas de receitas de 24 unidades da Federação. Apenas Ceará, Santa Catarina e São Paulo tiveram insuficiência de recursos.

A conclusão é do estudo especial “Análise da situação fiscal dos estados”, elaborado pelo consultor legislativo e diretor da Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado, Josué Pellegrini.

A União fez dois tipos de transferências para os Estados e o Distrito Federal nos últimos meses. O primeiro somou R$ 7,4 bilhões e foi dividido em sete parcelas, de abril a outubro. O dinheiro foi usado para compensar a redução do valor nominal dos recursos enviados ao Fundo de Participação dos Estados (FPE).

A segunda modalidade foi um auxílio financeiro de R$ 37 bilhões, sendo R$ 7 bilhões vinculados para as áreas de saúde e assistência social. O montante foi transferido em quatro parcelas de R$ 9,25 bilhões, entre junho e setembro.

De acordo com Josué Pellegrini, a crise do coronavírus “afetou fortemente as finanças do setor público”. “As receitas tributárias foram prejudicadas pela redução da atividade econômica e as despesas foram pressionadas, diante da necessidade de enfrentar a pandemia, especialmente na área da saúde. Nos meses de abril e maio, os estados enfrentaram dificuldades, pois o auxílio não havia começado e as perdas acumuladas de receita chegaram a R$ 19,4 bilhões”, destacou o diretor da IFI.

Pellegrini ressalta que as perdas “diminuíram rapidamente” em junho e julho e “deixaram de ocorrer” nos dois meses seguintes. “Em setembro, com a última parcela, apenas três estados não tiveram ganho de receita, no acumulado: São Paulo, Santa Catarina e Ceará, em montante desprezível no caso de São Paulo (-0,1%). Os outros dois tiveram insuficiência de 0,6% e 1,7% da receita tributária em doze meses, respectivamente”, escreveu o diretor da IFI. Roraima e Amapá foram os estados que registraram os maiores ganhos, com 26,1% e 27,7%.

Suspensão de dívidas

Além das transferências de R$ 44,4 bilhões, a União suspendeu o pagamento das prestações relativas à dívida dos estados e do Distrito Federal de março a dezembro. De acordo com o documento da IFI, o acumulado dos valores suspensos é estimado em R$ 29 bilhões, que serão incorporados ao saldo devedor e pagos nas mesmas condições do restante da dívida. Segundo Josué Pellegrini, São Paulo foi “o maior beneficiário imediato”. O valor das prestações suspensas equivale a 7,7% da receita do estado em doze meses.

O documento pontua ainda que a União transferiu recursos para os estados e o Distrito Federal por meio de créditos extraordinários a serem utilizados na saúde. “Foram autorizadas transferências de R$ 9,5 bilhões, sendo R$ 8,1 bilhões executados até o fim de outubro, sem contar R$ 1,5 bilhão para o auxílio emergencial dos trabalhadores da cultura”, explicou o diretor da IFI. Ele destaca, no entanto, que o montante transferido “não alcançará os gastos extras com saúde dos estados”, que chegaram a R$ 9,9 bilhões a mais no primeiro semestre.

Pressão da saúde

O senador Paulo Paim (PT-RS) entende que o auxílio da União para estados e Distrito Federal foi “essencial” para o enfrentamento da pandemia. Ele lembra que as unidades da Federação tiveram “um aumento expressivo de despesas”, o que pode voltar a ocorrer com a elevação da quantidade de pessoas infectadas.

— Os óbitos e os casos confirmados, infelizmente, voltaram a subir na maior parte do país, mesmo com a redução do número de testes. A receita dos estados e municípios pode voltar a ser afetada, e a pressão por gastos para enfrentar a pandemia permanece. O sistema nacional de saúde continua pressionado. Seis capitais estão com ocupação dos leitos de UTIs superior a 80%. Nossa esperança é que os estudos sejam concluídos logo, e uma vacina segura e eficaz seja produzida e distribuída para todo o mundo — afirmou.

O estudo especial “Análise da situação fiscal dos estados” é dividido em cinco partes. Além dos efeitos da pandemia sobre despesas e receitas tributárias, o documento avalia a evolução das contas dos estados; as despesas de pessoal; a capacidade de pagamento com base em indicadores da Secretaria do Tesouro Nacional; e os planos de ajuda da União concedidos desde 2015.

(Da Agência Senado)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCresce número de prefeitos e vereadores indígenas
Próximo artigoEm Cuiabá, vereadores gastam R$ 635 mil e são derrotados nas urnas