Augusto Nunes: Pedro Taques se tornou uma espécie de “São Jorge de Bordel”

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Ao dizer que não tinha como saber dos esquemas de corrupção que ocorriam em seu governo, como a operação de escutas telefônicas ilegais, chamada de “Grampolândia Pantaneira”, o governador Pedro Taques remete a uma figura que se faz presente na memória de alguns. Trata-se do quadro de São Jorge lutando contra um dragão em ambientes pouco familiares, como os antigos bordéis.

[featured_paragraph]”Esse quadro mostrava São Jorge combatendo o dragão. Mesmo na parede de um prostíbulo, (São Jorge) não via o que acontecia na sala ao lado”, compara o jornalista e colunista do LIVRE, Augusto Nunes.[/featured_paragraph]

A metáfora foi utilizada para responder à fala do governador, de que não tem como saber tudo o que fazem os 70 mil servidores do Estado. “Lembro desse quadro quando ouço políticos dizerem que não sabiam o que passava no gabinete ao lado”, seguiu Augusto.

Confira o vídeo com a avaliação de Pedro Taques, na íntegra:

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.