Atriz mato-grossense estreia nos palcos carioca

Natural de Jaciara, Tamiha Mohammad já passou pelos EUA e se prepara para realizar um sonho

Fonte Instagram

É mais que certo que Mato Grosso, em breve, terá mais uma conterrânea brilhando nos palcos cariocas. Tamiha Mohammad, de 27 anos, natural de Jaciara (140 km de Cuiabá), desde menina carregava o sonho de ser atriz. E o sonho foi realizado em 2018, quando se formou pela faculdade de artes cênicas, na Casa de Artes de Laranjeiras (CAL). A jovem agora se prepara para sua estreia na peça “Marat/Sade”, do autor Peter Weiss, prevista para julho deste ano.

No currículo, ela já carrega peças como: Bruxas de Salém, O silêncio, O burguês fidalgo e Paraíso Zona Sul. Além dos aprendizados do teatro musical, que recebeu na escola do mestre Pedro Lima, que atualmente está em cartaz ao lado de Michel Teló no musical “Bem Sertanejo”, Tamiha traz na bagagem a experiência de ter vivido por três anos a Florida (EUA) durante a adolescência. Tempos que deu a ela o aprendizado de levar para os palcos a arte da dança unida à arte da interpretação.

“Houve um momento muito importante para a minha vida que foi a preparação e apresentação que fizemos da música “Time of my Life”, do filme Dirty Dancing. Quando retornei ao Brasil, a vontade de unir dança e atuação estava presente”, contou Tamiha sobre o marco em sua experiência fora do país e das apresentações com grupo musicais.

De volta ao Brasil, Tamiha foi para o Rio de Janeiro, um dos principais centros culturais do país. Sobre o que a inspirou, os amigos que fez lá e a reação da sua família, que fica em Mato Grosso, ela sintetizou: “Vim para o Rio aos 19 anos, e foram muitas vindas e idas a Mato Grosso. Foi na Capital carioca que surgiram as minhas primeiras inspirações. Meu amigo Diego Timbó foi um desses e, assim como muitos outros, tornaram-se a minha família aqui na cidade”.

“A arte sempre foi algo presente em mim, tanto que me sentia deslocada e foi difícil a minha família entender. Porém, ali tinha o apoio da minha avó paterna, da tia Antonieta e, mais tarde, da minha irmã, que veio também com essa veia artística e que se tornou uma das minhas influencias”, continuou.

A atriz agora faz planos para o futuro e fala sobre o que idealiza na profissão.

“Quando penso em planos para minha carreira, sejam nos palcos do teatro, numa novela ou no cinema, penso principalmente na importância que a arte tem como veículo de troca para o mundo. Digo no sentindo de passar uma mensagem, gerar reflexão, sensibilização e transformação através do meu ofício como atriz. Acredito que se conseguir chegar a esse ponto, estarei realizando o propósito que desejo para minha carreira”, finaliza.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPesquisadores formam rede para investigar chikungunya no Brasil
Próximo artigoCombate à violência doméstica será prioridade de nova secretária nacional