Atriz Cláudia Rodrigues é levada do Rio para hospital em São Paulo

A atriz Claudia Rodrigues foi transferida na noite de ontem (23) para o Hospital Albert Einstein

(Foto: Divulgação)

A atriz Claudia Rodrigues, 47 anos, foi transferida na noite de ontem (23) para o Hospital Albert Einstein, na capital paulista. Não foi informado o estado de saúde.

Segundo a assessoria de imprensa do hospital, o quadro clínico da atriz não será detalhado “em respeito ao silêncio da família”.

Ela estava internada na Clínica São Vicente, na zona sul do Rio de Janeiro, desde a última quarta-feira (20).

Cláudia Rodrigues luta contra a esclerose múltipla desde 2000. A doença é autoimune e degenerativa e afeta o sistema nervoso central.

Na TV Globo, Claudia ficou famosa por personagens como Ofélia, esposa de Fernandinho, papel desempenhado por Lúcio Mauro, no programa Zorra Total, ou como a empregada Marinete, no seriado A Diarista.

Segundo entrevista dada à revista Quem pela empresária da atriz, Adriana Bonato, o estado de saúde de Claudia se agravou.

“Ela não está nada bem, não reconhece a filha (Isa, de 16 anos), nem a mim. Está sem força e não fica em pé, nem anda”, disse Adriana.

A esclerose múltipla é uma doença inflamatória crônica, que compromete a função do sistema nervoso central. Doença autoimune, ela afeta o cérebro e a espinha dorsal.

Com isso, o paciente tende a perder a capacidade de controlar o corpo. Em casos graves, perde a capacidade de andar e de falar.

Os principais sintomas são fadiga, formigamento ou queimação nos membros, visão embaçada, perda da visão e tontura, além de rigidez muscular e problemas de cognição.

Dados

Os mais atingidos com a esclerose são os mais jovens, principalmente mulheres entre 20 e 40 anos, segundo dados da Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz).

Segundo o Ministério da Saúde, 35 mil pessoas aproximadamente convivem com a doença no país, sendo que 15 mil fazem tratamento (com remédios e reabilitação) no Sistema Único de Saúde. No mundo, a estimativa é de 33 casos a cada 100 mil habitantes.

A causa da doença não foi descoberta e ainda não há cura. O tratamento tende a diminuir a ocorrência dos surtos e a gravidade, melhorando a qualidade de vida.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorTuberculose mata 4,5 mil pessoas todos os dias no mundo
Próximo artigoReforma da Previdência beneficiará mais pobres, revela ministério