Atlas da Violência: número de assassinatos de negros cresce 11% em 10 anos

No mesmo período analisado, as mortes de pessoas não negras caiu 13%, segundo Ipea e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública

(Foto: Divulgação)

No Brasil, os casos de homicídio de pessoas negras (pretas e pardas) aumentaram 11,5% em uma década, de acordo com o Atlas da Violência 2020. Os dados são do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e do Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP).

Em números gerais, os negros representam 75,7% das vítimas desse tipo de crime.

O relatório evidencia ainda que, para cada pessoa não negra assassinada em 2018, 2,7 negros foram mortos. Enquanto a taxa de homicídio a cada 100 mil habitantes foi de 13,9 casos entre não negros, a atingida entre negros é mais que o dobro: chegou a 37,8.

Ao mesmo tempo, entre 2008 e 2018, período avaliado, a taxa de homicídios de não negros (brancos, amarelos e indígenas) fez o caminho inverso, apresentando queda de 12,9%.

Na avaliação dos especialistas que produziram o documento, os números deixam transparecer o racismo estrutural que ainda perdura no país.

(Foto: Freepik)

“Um elemento central para a gente entender a violência letal no Brasil é a desigualdade racial. Se alguém tem alguma dúvida sobre o racismo no país, é só olhar os números da violência, porque traduzem muito bem o racismo nosso de cada dia”, diz a diretora executiva do FBSP, Samira Bueno.

Recorte de gênero

Outro número que justifica a afirmação em torno do preconceito diz respeito aos homicídios de mulheres. Nos últimos 10 anos, constatou-se uma redução de 11,7% na taxa de vítimas não negras, ao mesmo tempo em que a relativa a negras subiu 12,4%.

No período, os Estados que tiveram as mais altas taxas de homicídios entre a população negra estão localizados nas regiões Norte e Nordeste, com destaque para Roraima (87,5 mortos para cada 100 mil habitantes), Rio Grande do Norte (71,6), Ceará (69,5), Sergipe (59,4) e Amapá (58,3).

“Então, que políticas são essas que a gente está implementando, que protegem as mulheres não negras e não são capazes de proteger as negras?”, questiona Samira.

No total, somente em 2018, 4.519 mulheres foram assassinadas em todo o país.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorHumildes sabedores
Próximo artigoEm três anos, capital de Mato Grosso transforma saneamento básico