Até os russos desconfiam da Sputnik

País tem baixa cobertura vacinal e faz campanhas para atrair a população

(oto: Reprodução/Facebook/Embaixada da Rússia no Brasil)

A Rússia está ganhando cada vez mais mercado com a vacina Sputnik, de fabricação nacional, contudo não consegue vencer a desconfiança dos próprios cidadãos. Segundo um levantamento feito pela Our Worl in Data, apenas 4,7% dos russos estão totalmente imunizados e outros 7,8% da população recebeu a primeira dose.

A situação foi tema de uma reportagem publicada no jornal A Gazeta do Povo nessa terça-feira (27). Nela, foram abordadas inclusive as estratégias usadas pelo governo daquele país para estimular as pessoas a se imunizarem com a distribuição de sorvetes e até mesmo vales, que podem ser gastos em farmácias, lojas e cafés.

Uma pesquisa feita em fevereiro pelo Levada Center, uma organização não-governamental de pesquisa da Rússia, tentou identificar os motivos para a resistência da população.

De acordo com as estatísticas, 30% dos entrevistados afirmam que estão prontos e 62% não estão prontos para serem imunizados. Entre os mais jovens, a desconfiança é ainda maior.

Em relação aos que não estão prontos, o medo de efeitos adversos, a necessidade para os fins do teste e a “falta de propósito da imunização” – já muitos são céticos como relação à pandemia – são fatores que os impedem de vacinarem.

O jornal Moscow Times também abordou o mesmo tema em uma matéria e nela acrescentou outros motivos para a baixa procura por doses: a falta de confiança nas autoridades, preferências culturais por medicamentos estrangeiros e o próprio desenvolvimento acelerado da Sputnik V, que começou a ser aplicada na fase de testes.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAL discute com o governo novas alíquotas a aposentados
Próximo artigoNúmero de vagas para profissionais da saúde cresce 17% no primeiro trimestre