Até 20% dos mato-grossenses entram na idade adulta com alguma doença crônica

Hipertensão e diabetes são as ocorrências mais comuns, de acordo com pesquisa do IBGE. Na lista também aparece a depressão

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Até 20% da população de Mato Grosso entra na idade adulta como alguma doença crônica relacionada ao peso, falta de exercício ou consumo exagerado de bebida e alimento.  

O diagnóstico está na Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) 2019, realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A hipertensão é o caso mais frequente. 

Até o fim do ano passado, 21,6% das pessoas com 18 anos ou mais disseram ter sido diagnosticada com a doença. A maioria (83,5%) disse que obedece às regras para o controle da pressão alta. 

Outras doenças

A depressão, considerada um problema de saúde pública, já atingiu 8,6% da população de Mato Grosso.

Conforme a Organização Mundial da Saúde (OMS), ela se caracteriza por transtorno mental, tristeza e oscilação de sentimentos. Na época, 32,6% das pessoas diagnosticados usavam medicamento. 

A diabetes foi a terceira doença crônica mais citada pelos mato-grossenses, com uma proporção de 6,6% dos 3,4 milhões de habitantes.

A doença altera a composição sanguínea, geralmente, pelo consumo excessivo de açúcar. O mesmo questionário identificou que 11,3% das pessoas consomem doce, mas sem especificar a regularidade.

A pesquisa mostrou ainda que 1,8% da população foi diagnosticada com câncer e 1,9% com insuficiência renal
  

Elas são silenciosas

O estudo reforça para o quadro de doenças crônicas por se tratar de debilitações do organismo que se desenvolvem lentamente e com sintomas podem levar alguns anos para ser percebidos. 

Essa avaliação pode ser confrontada pela proporção de pessoas que consideram ter boa saúde em Mato Grosso. O número está em 7 para cada 10, conforme a pesquisa. 

No mesmo período, foi verificado redução no consumo de tabaco, mas aumento do consumo de bebidas alcóolicas e de maneira abusiva. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDois terços dos mato-grossenses ainda não têm acesso a rede de esgoto
Próximo artigoMutações não estão aumentando velocidade de transmissão do coronavírus