Ataques virtuais: números com prefixo da Bahia encaminham vídeos de críticas a Taques

Jornalistas de Mato Grosso já receberam ao menos três vídeos de quatro números diferentes

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Em ano de eleição tudo pode acontecer no meio político e em 2018 não seria diferente. Os já conhecidos “comitês da maldade” começaram a atuar em julho deste ano, quando jornalistas mato-grossenses começaram a receber, via WhatsApp, vídeos de críticas ao governador e candidato à reeleição Pedro Taques (PSDB).

Os números são todos com prefixos da Bahia (71) e os vídeos são recebidos em dias aleatórios, sempre com uma coisa em comum: as críticas ao governador. Se o jornalista responde, as mensagens são visualizadas e ignoradas. E, somente uma vez – até o momento – um número foi repetido.

Era dia 30 de julho quando o primeiro vídeo chegou à reportagem do LIVRE, às 18h04, no número pessoal de uma das repórteres. Mais tarde, outros profissionais da redação também vieram a receber.

O primeiro vídeo era uma reportagem da TV Centro América sobre o depoimento do cabo da Polícia Militar Gérson Corrêia, no qual ele afirma o “caso dos grampos” teria sido financiado pelo primo do governador, o ex-secretário-chefe da Casa Civil Paulo Taques.

As imagens mostram parte do depoimento de Gérson e matérias que saíram em sites de Mato Grosso sobre as falas do cabo, como a afirmação de que Pedro Taques e Paulo Taques seriam os “donos dos grampos”.

No dia 11 de agosto, o mesmo número enviou uma matéria de um site da Capital com o título: “Crianças com diabetes estão sem insulina em MT”. Depois do link, estava a frase: “A incompetência mata tanto quanto a corrupção”.

Treze dias depois, no dia 24 de agosto, às 15h12, um novo vídeo foi enviado, dessa vez de um número diferente, também com prefixo da Bahia. Intitulado “A casa caiu”, o vídeo fala sobre a homologação da delação do empresário Alan Malouf, que cita o governador Pedro Taques.

Primeira imagem do vídeo

As imagens mostram manchetes de sites nacionais e estaduais sobre a delação e cita trechos das matérias. Ao final do vídeo, está escrito: “E agora, governador. Fora, fora, fora. Seu tempo já chegou!” O mesmo vídeo foi enviado por outro número, também da Bahia, 45 minutos depois.

Na noite desse sábado (1º), um novo vídeo – o último até o momento. Dessa vez, uma produção maior, que conta com música criada para a “edição”. Com ironia, a canção começa dizendo para as pessoas abrirem os olhos e falarem baixo, afirmando que “ele grampeou a gente”.

Trecho do vídeo

A música faz uma série de críticas a Taques, citando delações e denúncias de esquemas durante o governo e afirmando que ele teria “arruinado o Estado”. Por fim, a melodia volta a citar uma frase idêntica ao vídeo do dia 24 de agosto: “fora, fora, fora. Seu tempo já passou”.

São adversários de Taques na corrida ao Palácio Paiaguás o empresário e ex-prefeito de Cuiabá Mauro Mendes (DEM), o senador Wellington Fagundes (PR), o policial rodoviário federal Arthur Nogueira (Rede) e o servidor estadual Moisés Franz (Psol).

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorOs “atores” desconhecidos de WF
Próximo artigoMenino de 10 anos e catador de latinhas ficam “grudados” em fio eletrizado em campo de futebol

O LIVRE ADS