Assistência técnica do Senar muda realidade dos produtores de leite em MT

Foto: Assessoria

Desde 2015 fazendo parte do Senar Tec Leite, programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG), do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Mato Grosso (Senar-MT), a família Guilherme dos Santos comemora um aumento de 33.10% na produção mensal de leite e 70.70% na produção de leite diária das vacas em lactação. Nestes quatro anos, muita coisa mudou no Sitio Primavera, localizado no município de Pontes e Lacerda.

A irrigação de cerca de três hectares foi a solução para a alimentação que era considerada uma das principais dificuldades dentro da propriedade. Nivaldo Guilherme dos Santos conta que investiu mais de R$ 30 mil no projeto de irrigação que já está em teste.

Há mais de 50 dias sem chuva na região a irrigação demonstra resultados positivos. Nivaldo comemora o pasto verde que garante a um rebanho muito bem alimentado. Segundo ele, todos os anos gastava cerca de R$ 13 mil para fazer a silagem e, mesmo assim, ainda não era suficiente para suprir as necessidades do rebanho ao longo do período de seca. “Se colocarmos tudo na ponta do lápis, o retorno do investimento será em menos de dois anos”

Nivaldo conta ainda que no começo não levava as recomendações dos técnicos de campo muito a sério. “Mas quando vi que meus vizinhos estavam progredindo, comecei a seguir todas as orientações e logo as melhorias tanto no rebanho, quanto na propriedade começaram a aparecer”.

De acordo com Nivaldo, quando ele entrou no Senar Tec leite tinha 50 vacas. “A produção era uma mixaria”, enfatiza. Depois de quatro anos sendo assistido, o produtor diz que tem a metade do rebanho que tinha quando começou, mas a produção dobrou.

Junto com a esposa Rosangela e os filhos Francislei, Liliane e Larissa, Nivaldo vive no Sitio Primavera, na comunidade Triunfo e é atendido pelo técnico de campo da ATeG, do Senar-MT, Matuzalem Carvalho. “Aprendi a anotar tudo o que acontece na propriedade. Para isso conto com a ajuda dos filhos e da esposa. Sei o que ganho, o que gasto e onde é preciso investir”.

Para Nivaldo, além desta parte da gestão da propriedade que foi uma mudança de cultura para toda a família, outro ponto bastante importante foi o piqueteamento do pasto. Ele conta que dividir em partes menores e fazer a rotação dos animais tornou o controle da qualidade das pastagens muito mais fácil.

Com todas estas transformações, Nivaldo e a família comemoram a valorização de toda a propriedade. “Posso dizer que o valor da terra dobrou”. E Nivaldo continua sonhando. “Pretendo ampliar a irrigação, incrementar a sala de ordenha e seguir buscando inovações. O produtor que não buscar novidades vai acabar fora do mercado”.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCurta sobre desastre ambiental em Mariana é premiado pela ONU
Próximo artigoIdoso encontrado em rodovia pode ter sido atropelado por vários veículos

O LIVRE ADS