Assentamento de MT está se transformando no “reino” do alface

Persistência e tecnologia fizeram um empreendimento familiar crescer e servir de inspiração para vizinhança

Foto: Ednilson Aguiar/O Livre

Com muito esforço, pesquisa e sem medo de errar, uma família está transformando o assentamento de Santo Antônio da Fartura, em Campo Verde (137 km de Cuiabá), em um polo de produção de hortaliças. Do sítio, saem diariamente mais de 6 mil itens para comercialização em Cuiabá e adjacências.

São pés de alface – unitários e embalados -, rúcula, agrião, espinafre, cebolinha, salsa, coentro, sálvia, hortelã, tomilho, orégano fresco, manjerona e mais uma série de folhagens e temperos, parte cultivada na hidroponia e parte na terra.

Entre tentativas de sucesso e frustrações, a família conseguiu sair de um barraco coberto por palha, para uma casa estruturada, e de um cultivo feito pelas próprias mãos, para uma empresa, que hoje tem mais de 30 funcionários.

A produtora rural Sandra Nascimento dos Santos quer que filhos assumam o negócio. (Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Sandra Nascimento dos Santos, 45 anos, é a matriarca e, junto com o marido e os três filhos, acompanha todo o processo, bem como as decisões relacionadas ao empreendimento. Ela diz que o grande segredo deles é a união.

Um começo difícil

Quando chegaram ao assentamento, a única renda deles era um trator, alugado para fazer serviços nos vizinhos. O veículo era muito velho e o marido de Sandra também era o operador.

“Chegou uma hora que gastávamos mais com o conserto do que tínhamos lucro. Não dava mais. Então, resolvemos vender, comprar sementes e investir na terra”, lembra.

Como não tinha experiência em lidar com hortaliças e verduras, optaram pelo cultivo de caixaria, ou seja, batatas, cenouras e demais legumes. Porém, perderam quase toda a produção devido às questões climáticas e do solo.

Produção envolve tecnologia de ponta para garantir qualidade. Foto: (Ednilson Aguiar/O Livre)

“Chamamos um rapaz para nos ajudar e falamos que o resultado não foi bom. Ele nos disse que estávamos plantando a coisa errada pela época. Falou ainda que naquele período, o ideal era plantar folhas, que dariam certo”, afirma.

E, assim, o sucesso começou a bater às portas da família, que ampliou os canteiros e começou a ver a produção aparecer com mais qualidade para venda.

Inserção de novas tecnologias

Em 2014, a família tinha um problema: o solo já não dava a mesma resposta ao plantio. Precisaram arrendar uma área para produzir, o que além de aumentar os custos, gerava uma preocupação com o futuro do negócio.

Após conversa com amigos e parentes, eles viajaram para o Rio Grande do Sul, onde tiveram contato com a hidroponia e começaram a pesquisar sobre a tecnologia.

Mais de seis mil itens vão para os mercados todos os dias. Foto: (Ednilson Aguiar/O Livre)

Mais uma vez, entraram de cabeça na mudança e obtiveram resultados positivos com relação à produção, contudo, isso representou investimentos, alcançados por meio de financiamentos, que não foram repassados ao preço do produto, porque a venda era por meio de atravessadores.

“Eu tentei conversar com um atravessador. Pedi para eles aumentarem o preço por conta dos custos. Mas ele me respondeu que, se eu não vendesse, comprava de outro. Eu me senti humilhada e percebi que meu trabalho não valia nada. Decidi que não iria mais aceitar”, afirma Sandra.

A ruptura não poderia ser imediata, por conta das despesas da propriedade, e ela pediu ao filho mais velho que procurasse pessoalmente os mercados para oferecer o produto, convidando os responsáveis pelas redes para visitar o sítio.

Hidroponia não requer muito espaço e permitiu aumento da produção. Foto: (Ednilson Aguiar/O Livre)

Nas primeiras aproximações, não houve um retorno imediato. Contudo, as incursões foram se repetindo, até que a rede de Supermercados Big Lar atendeu o pedido e fez a primeira visita.

Uma oportunidade seguida de exigências

Os futuros primeiros clientes foram recebidos com toda “pompa e circunstância”. Andaram pela área, fizeram perguntas sobre o processo de produção e indicaram uma série de melhorias que ainda precisavam ser realizadas.

“Eles tinham um padrão de qualidade e corremos para atender, porque eles estavam nos abrindo uma porta, acreditavam no nosso trabalho e não podíamos perder a oportunidade”, lembra Sandra.

Mais uma vez, com coragem para mudar, a família reconstruiu o negócio e passou a fazer as vendas diretas, eliminando os atravessadores e alcançando um preço justo pela produção.

Wagner dos Santos, filho de Sandra, acompanha todas as etapas da produção. Foto: (Ednilson Aguiar/O Livre)

Diversificação e novos clientes

Com o tempo, a rede passou a sugerir o plantio de novas espécies e até mesmo cultivos. Muitos deles eram adquiridos em São Paulo e como perdiam muito tempo no transporte, acabavam por durar pouco nas prateleiras.

Assim, entraram no mix de produtos os temperos frescos, as folhagens babys, pimentas e embalagens diferenciadas. “Quando começamos a venda direta, Deus não abriu as portas, ele escancarou”, relata a produtora.

Com a presença em uma rede conceituada, outros clientes apareceram e, agora, eles estão em busca de mais pontos de vendas.

Crescimento em família

Wagner Augusto dos Santos, 21, é estudante de Direito e um dos filhos de Sandra. Ele ajuda em todas as fases da produção, enquanto o irmão mais velho fica responsável pela logística, distribuição e contratos.

Um trabalho árduo que começa muito cedo, já que às 5h da manhã os caminhões precisam estar saindo da propriedade em direção a Cuiabá. Assim, quando os supermercados abrem, as hortaliças estão fresquinhas para o deleite dos consumidores.

A saída do caminhão é o fechamento de um ciclo diário, que engloba o plantio, a limpeza da área, a colheita, a limpeza dos produtos e a preparação das embalagens e caixas.

Com ajuda dos filhos, negócio se moderniza a cada dia e fica mais competitivo. Foto: (Ednilson Aguiar/O Livre)

Com o tempo, Wagner conta que a propriedade foi mesclando as tecnologias e ganhando em qualidade. Também passou a investir em nichos de mercado que ainda não eram ofertados em Mato Grosso.

O próximo passo será a construção de uma área para beneficiamento, na qual tudo passará por limpeza e assepsia condizente para o consumo direto. Será a hortaliça pronta para o consumo.

Eles também atuam no compartilhamento de tecnologias com os vizinhos porque acreditam que logo a capacidade produtiva deles será totalmente absorvida pelo mercado. E, por que não ajudar quem está perto?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFornecimento de gás está suspenso há cinco dias em Cuiabá
Próximo artigoEx-defensor público geral é condenado a devolver R$ 212 mil a MT