Assaltos a residências: Justiça de MT condena três a até 22 anos de prisão

Um dos condenados ainda responde a processo pela morte de um comerciante em 2019

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

O juiz da 3ª Vara Criminal de Cuiabá, Wladymir Perri, condenou três homens acusados de cometer 10 assaltos a residências e ainda de roubar veículos em Cuiabá. As penas aplicadas são de 15 a 22 anos de prisão, em regime fechado.

Ainda cabe recurso ao Tribunal de Justiça de Mato Grosso.

A sentença é desdobramento de uma ação penal movida pelo Ministério Público Estadual (MPE) e foi publicada no Diário da Justiça de quarta-feira (17).

Thiago Gomes Torres, vulgo “Perninha”, foi condenado a 22 anos e 13 dias de prisão. Já Ygor Henrique da Silva Martins e Wesley Vicente Café foram condenados a 15 anos, seis meses e 20 dias de prisão.

Por outro lado, os três aforam absolvidos da acusação de organização criminosa.

Todos estão presos preventivamente desde agosto de 2019, quando foi deflagrada pela Polícia Civil a quarta fase da Operação Cartorium.

As investigações apontaram que os três criminosos agiam para roubar residências na região do Coxipó em Cuiabá. O trio costumava abordar moradores que saíam de casa no período da manhã, ameaçando as vítimas com armas de fogo.

Acusação de assassinato

O condenado Ygor Henrique da Silva Martins ainda é acusado de assassinar o comerciante Geraldo Jamil Siman Moreira, no bairro Cidade Verde, em Cuiabá, no dia 18 de janeiro de 2019.

A vítima foi morta com três tiros na cabeça, em frente à própria casa.

A esposa da vítima, Danielle Reis de Souza Siman, 36 anos, também foi presa, apontada como uma das mandantes do homicídio. Além dela, teria encomendado o assassinato, seu amante, Gabriel Brito Gabiato Pires, de 18 anos. Ela é quem que teria contratado duas pessoas para execução do crime.

Ainda não houve julgamento referente a este caso.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorGoverno de MT é condenado a indenizar vítimas de acidente em ponte de madeira
Próximo artigoVai abastecer? Especialista diz qual combustível compensa mais em MT