As consequências do pecado

Eles nunca entrarão na terra que jurei dar aos seus antepassados. Nenhum daqueles que me abandonaram verá aquela terra. Números 14:23

Por todas as atitudes errôneas que o povo de Israel cometeu contra Deus, e por não confiar em dezenas de milagres e maravilhas que Ele realizou para aquelas pessoas, as consequências foram danosas.

Os indivíduos que tinham de 21 anos para cima jamais entrariam na Terra Prometida, e o pior, quem sabe até perderiam a salvação. Moisés viu, mas não entrou na Terra Prometida, entretanto a sua salvação estava garantida por Deus.

A consequência infeliz para aquele povo não resultou apenas no sofrimento individual de cada um dos que não entrariam na Terra de Canaã, mas também se refletiu sobre os seus filhos.

A Bíblia, em Números 14:32, 33 e 34, relata: “Porém vocês morrerão, e os corpos de vocês ficarão neste deserto, onde os seus filhos vão caminhar quarenta anos. Vocês foram infiéis, e por isso eles vão sofrer, até que todos vocês morram aqui. Quarenta anos vocês vão sofrer por causa dos seus pecados, conforme os quarenta dias que vocês espionaram a terra, um ano para cada dia”.

Por 40 dias de espionagem, Deus aplicou uma sanção a eles. Os jovens, além de não virem a morte dos seus pais e o restante do povo, deveriam caminhar por mais 40 anos no deserto. Já parou para imaginar essa situação? Nós, em um mundo moderno, ágil e tempo real para tudo, mal temos paciência para aguentar algumas horas para receber uma decisão ou notícia, imagine 40 anos andando pelo deserto sem poder contemplar a Terra Prometida?

Temos que pensar muito antes de tomar atitudes, pois os resultados podem ser danosos e frustrantes. Não sei se haverá um desfecho mais severo do que esse nesta terra, contudo, vejo que a pior sequela é não poder entrar na nova Terra Prometida Celestial.

Nós sabemos que toda ação gera uma reação, mas, muitas vezes, nós não nos importamos com isso, aliás, só acordamos ou racionalizamos a vida quando os frutos podres recaem sobre nós.

Quem planta, colhe. Se planta bem, colhe bem. Se planta mal, colhe mal. Se não plantar nada, não colherá nada. Essa é a lei universal, à qual não estamos imunes.

Que você e eu possamos ser sentinelas para nos atentarmos ainda mais às promessas de Deus para as nossas vidas, jamais duvidarmos disso. Tudo que fazemos gera consequências, que podem ser boas ou más. Milhões de pessoas do povo de Israel escolheram duvidar e não confiar em Deus, por isso, o resultado foi desastroso.

Francisney Liberato é Auditor do Tribunal de Contas. Escritor, Palestrante, Professor, Coach e Mentor. Mestre em Educação pela University of Florida. Doutor em Filosofia Universal Ph.I. Honoris Causa. Bacharel em Administração, Bacharel em Ciências Contábeis (CRC-MT) e Bacharel em Direito (OAB-MT). Vice-presidente da Associação Brasileira dos Profissionais da Contabilidade – ABRAPCON. Membro da Academia Mundial de Letras. Autor dos Livros: “Mude sua vida em 50 dias”, “Como falar em público com eficiência”, “A arte de ser feliz”, “Singularidade”, “Autocontrole”, “Fenomenal”, “Reinvente sua vida” e “Como passar em concursos – Vol. 1 e 2”, “Como falar em público com excelência”, “Legado” e “Liderança”. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPatrimônio em perigo: infestação de pombos ameaça ruínas históricas de Vila Bela
Próximo artigoCombustíveis na energia?