Coma Fronteira e Spectrolab se unem em espetáculo no Calm

E durante os dois dias de apresentação também será exibido a estreia do filme ‘Drag Nostra’, de Paulo Victor Vidotti

Artistas dos coletivos artísticos Coma a Fronteira e Spectrolab se unem em nova empreitada. Eles encenam o espetáculo “Coió” nesta sexta-feira (26) e sábado (27), às 20h30, no Centro Audiovisual Luiz Marchetti (Calm).

Os ingressos são gratuitos e limitados e podem ser retirados no bar Metade Cheio. Este é o único projeto mato-grossense contemplado pelo Edital de Patrocínio do Banco da Amazônia.

Caio Ribeiro divide a direção com Douglas Peron e Luiz Marchetti. Douglas e Caio também são protagonistas do espetáculo e interagem com os relatos pessoais (gravados em vídeo e projetados em telão) das próprias mães, Rose e Avelina, que foram vítimas de violências relacionadas ao âmbito doméstico.

‘Coió’, vocábulo do Pajubá, dialeto da linguagem popular LGBTI+, significa bater, xingar, dar uma surra… “Levar um coió”, portanto, se refere a ser agredido.

As possibilidades de leitura contidas nesta pequena palavra, quase uma onomatopeia, permeiam toda a narrativa, que, por sua vez, tem como eixo central as histórias vivenciadas pelas mães e rememoradas pelos filhos que as presenciaram.

Sessão de cinema

E durante os dois dias de apresentação também será exibido a estreia do filme ‘Drag Nostra’, de Paulo Victor Vidotti. As sessões, ambas às 20h30, antecedem ‘Coió’. O curta, estrelado pela mais famosa diva pop mato-grossense, Sara Mitch, acompanha a trajetória de um grupo de drags mafiosas que planejam assaltar um banco.

O CALM fica na Rua Zulmira Canavarros, 285 bairro Centro Norte.
Classificação Indicativa: 14 anos

(Com assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorChina reduz em 14,7% importações de soja no primeiro semestre
Próximo artigoEmbargo dos EUA contra Irã afeta empresas brasileiras, diz Bolsonaro