Arquitetura pandêmica

Le Corbusier, Villa Savoye - Ano: 1929 | Localização: Poissy, França | Imagem: ArchDaily

A história da humanidade é formada por diversos ciclos – inclusive em questões epidemiológicas.

“Mas Karla, aqui não é sobre arquitetura?”

É sim! Mas tem tanta coisa que acontece que impacta de forma positiva ou negativa a forma como vemos e construímos o mundo, que algumas observações são sempre válidas de serem feitas e, vocês vão perceber que, na verdade, a arquitetura anda de mãos dadas com diversas mudanças, inclusive as questões epidemiológicas.

Dia desses tive a oportunidade de escrever sobre como o COVID 19 já está mudando a forma como nos relacionamos e como convivemos com os espaços. Hoje, vamos conversar um pouco sobre a história e sobre outras doenças também modificaram construções e o modo de vida.

Então, nosso primeiro ponto é lá em 1932, em alguns cenários de Paris, Amsterdã e Berlim, mais precisamente as escolas ao ar livre (Open Air Schools) – as escolas anti-tuberculose – caracterizadas, como vocês podem ver, por grandes janelas e “paredes dobráveis”. Elas, foram projetadas justamente para prevenir e combater pandemias.

Exemplos de escolas ao ar livre (Open Air Schools) | Imagem: Google
Exemplos de escolas ao ar livre (Open Air Schools) | Imagem: Google

E, como elas surgiram? Como o próprio nome diz, foi em decorrência da tuberculose, uma doença do século 19 e 20 que, a princípio, ninguém sabia o que era, nem como era causada, nem nada assim. A atribuíram ao ar sujo das cidades e as pessoas passaram a procurar refúgio nas montanhas e onde quer que tivesse ar puro e limpo.

Quando descobriram o que de fato era a tuberculose e que essa bactéria não estava necessariamente no ar, entenderam que o grande problema estava nos espaços internos: eram móveis que podiam escondê-la, cortinas pesadas, janelas pequenas que impediam uma boa circulação do ar e a entrada de luz… O que aconteceu então? Primeiro, uma rotina de limpeza bem rigorosa, similar a que temos hoje.

Mas, muita além disso, um novo jeito de construir e desenhar casas e espaços interiores. E, com entendimento que, aliado a baita rotina de limpeza, o sol e o ar eram bons, os grandes arquitetos se puseram a desenhar hospitais com grandes janelas, sanatórios com grandes terraços, com pé direito duplo e um novo design de móveis, onde a doença não podia se esconder – e sabem o que nasceu com isso? A Arquitetura Modernista!

Os modernistas buscavam criar ambientes curativos: um lugar para descansar onde nenhuma bactéria tivesse vez. Espaços claros, abertos, com grandes janelas e terraços para que as pessoas pudessem tomar sol, e ambientes mais vazios, sem muitos itens e móveis.

Terraço Sanatório Paimio, do Alvar Aalto | Imagem: Google

Foi nessa época que surgiu o sanatório Paimio, do Alvar Aalto, que se tornou referência para construções hospitalares. E também, as casas do excepcional Le Corbusier, casas elevadas por pilares, quase sempre brancas, pois ele acreditava que as casas precisavam estar elevadas e longe do chão úmido.

Sanatório Paimio, do Alvar Aalto | Imagem: Google
Le Corbusier, Villa Savoye – Ano: 1929 | Localização: Poissy, França | Imagem: ArchDaily

 

Dentro das casas, os móveis considerados vilões na hora do combate foram trocados por móveis mais aerodinâmicos e fáceis de limpar, o chão também deu espaço para algo mais liso e sem obstruções. Decorações carregadas e cheias de itens, também foram retiradas desse cenário, trazendo ao mundo uma decoração mais minimalista.

Le Corbusier, Villa Savoye – Ano: 1929 | Localização: Poissy, França | Imagem: ArchDaily
Le Corbusier, Villa Savoye – Ano: 1929 | Localização: Poissy, França | Imagem: ArchDaily

Inicialmente a cólera também foi uma doença cuja causa era atribuída ao ar sujo, mas, quando descobriram que o problema vinha da água contaminada, isso causou uma série de grandes reformas legislativas e na infraestrutura sanitária, não apenas em Londres, mas nas grandes cidades.

As pandemias podem alterar a forma como vemos e fazemos as coisas, dando até mesmo origem para novos estilos, como a Arquitetura Modernista. Mas, com o surgimento de tratamentos, vacinas e remédios pelo avanço da ciência, a adaptação da arquitetura para amenizar os impactos de doenças foi diminuindo, e hoje vemos que, novamente, a reestruturação dos espaços se torna vital: as casas não são preparadas para trabalho home office, os hospitais não foram construídos para suportar grandes epidemias – e nem outros espaços urbanos. Então, uma vez mais os espaços tem que ser adaptar para serem mais preventivos e combativos.

O que será que vem pela frente na Arquitetura?

 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPesquisadores da UFMT estudam se veneno da jararaca gera imunidade ao coronavírus
Próximo artigoAlerta no Pantanal: focos de calor em agosto já superam números de julho