Aripuanã: assassinatos aumentaram 266% após chegada dos garimpeiros

Policiais encerraram operação de desocupação da Serra do Expedito

(Foto: Divulgação/PF)

O número de homicídio na cidade de Aripuanã (1.200 km a Noroeste de Cuiabá) aumentou 266% este ano, em relação ao ano passado. Os dados são da Polícia Civil de Mato Grosso.

Conforme a análise da Secretaria de Estado de Segurança Pública, o acréscimo tem relação com a expansão do garimpo ilegal na Serra do Expedito, a menos de 14 km do núcleo urbano.

Entre os meses de janeiro e agosto do ano passado, foram registrados 3 assassinatos. Já no mesmo período deste ano foram 11.

A ocupação desordenada da área também impactou na incidência de outros crimes, como roubos e furtos.

Invasão

De outubro do ano passado para cá, mais de 2 mil pessoas foram para a cidade em busca de ouro. Eles chegaram em pequenos grupos e com o tempo, a população cresceu.

Os métodos de trabalho também foram modernizados e a extração manual passou a ter auxílio de tratores, maquinários pesados e ainda outros empreendimentos, que davam suporte a atividade.

Com isso, em pouco tempo, a área se tornou uma espécie de minicidade desorganizada.

(Foto: Sesp-MT)

Toda a movimentação trouxe danos ambientais e sociais graves. A cidade enfrentou surto de malária, aumento da criminalidade e do consumo de drogas.

De acordo com o delegado de Aripuanã, Henrique Espíndola, os números são impressionantes, mas não condizem a realidade, já que há muita sub-notificação.

Espínola argumenta que as pessoas que estão no local temem serem alvos de represálias se denúncias relacionadas ao tráfico de drogas, porte e posse ilegal de arma de fogo, menores em casas de prostituição, por exemplo, chegarem às autoridades competentes.

“O garimpo tem uma forma clandestina de organização e propicia o desenvolvimento do comércio de drogas e produtos furtados e roubados”.

Ele correlaciona ainda o ambiente com os homicídios.

“Homicídios, tentativas de homicídios e ameaças são formas de um garimpeiro se sobrepor ao outro e conseguir melhor local para extração”.

Operação

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Desde segunda-feira (7), policiais federais, civis e militares estão na área fazendo a reintegração de posse da área, com a remoção dos garimpeiros e destruição de maquinários.

No andamento do trabalho, um homem morreu. Segundo a polícia, ele teria atirado contra os agentes porque se recusava a sair do local.

A Sesp informou que mesmo com o fim da segunda fase da Operação Trype, nesta quarta-feira (9), os policiais vão permanecer na cidade por prazo indeterminado para garantir a ordem pública.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorXavantes são presos por extorsão e indígenas se mobilizam em Barra do Garças
Próximo artigoThe Big Bang Theory recebe homenagem em cerimônia do Prêmio Nobel

O LIVRE ADS