Argentino usa ralador de queijo para remover tatuagem uma semana depois de fazê-la

Uma ideia de "gênio"

Tatuagens permanentes sempre são uma escolha de coragem e de muita reflexão, afinal o processo para removê-las é lento e dolorido.

Porém, para um jovem argentino de 21 anos, que preferiu permanecer anônimo, optou elo método mais bizarro e dolorido para remover uma tatuagem. O fato aconteceu há dois anos, mas um vídeo e fotos de seu braço, antes e depois, só se tornaram virais, depois que um dos seus amigos decidiu publicá-los on-line.

Agora, o cidadão decidiu compartilhar o motivo de ter feito essa escolha tão drástica.

“Eu fiz a tatuagem e, uma semana depois, eu queria me juntar à polícia aeroportuária. Embora entre os requisitos do site não mencionassem, me disseram que não poderia trabalhar lá com tatuagens visíveis”, disse o jovem sem nome. Isso aconteceu em agosto de 2017, quando ele tinha 19 anos. E a outra razão pela qual ele fez isso com ele mesmo teve a ver com estética.

“Eu gosto muito de detalhes e realmente não gostei de como a tatuagem foi feita. Pesquisei no YouTube maneiras para removê-la. Primeiro tentei com uma pedra-pomes, mas não funcionou. Então eu continuei com o ralador. Doeu e sangrou muito. Eu tive que fazer curativos e aplicar desinfetante. Uma semana depois, fui ao hospital e me vacinei contra tétano.”

O argentino disse que se arrependeu de sua decisão a princípio e não recomendaria o método a ninguém, mas como já havia começado foi até o fim:

“Doeu e sangrou muito. Naquele momento, me arrependi, mas quando vi que já tinha começado, não me preocupei mais. Mas eu não recomendaria a ninguém” acrescentou o rapaz.

Os tatuadores de todo o mundo comentaram sobre esse método de remoção com ralador de queijo, e o consenso geral é que é muito melhor você se ater à remoção com laser. Também não é exatamente indolor, mas pelo menos não deixa uma cicatriz ou, pior ainda, uma ferida drástica e surreal.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

O LIVRE ADS