Arena Pantanal: “filas são proporcionais ao fracasso na atenção básica”, afirma governador

Durante uma coletiva, Mendes rebateu as críticas sobre grande procura por atendimento no centro de triagem

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

O governador de Mato Grosso Mauro Mendes (DEM) não economizou críticas à atenção básica de alguns municípios da Baixada Cuiabana durante a coletiva que concedeu nesta sexta-feira (24) por meio das redes sociais do governo.

Ele alegou que as filas que se formaram em frente à Arena Pantanal, em Cuiabá, onde está instalado o centro de triagem, têm relação com a ausência do serviço nos locais próximos ao paciente.

“As filas, na abertura, foram diretamente proporcionais ao fracasso da atenção básica nos municípios de entorno”, afirmou Mendes.

Desde o começo da semana, o local está recebendo pacientes para atendimento médico, testes rápido e distribuição de kit-covid.

Além disso, ele e o secretário de Estado de Saúde, Gilberto Figueiredo, asseguraram que as pessoas estão sendo atendidas e que, hoje, a situação está regularizada. Afirmou que todos que precisam estão recebendo os medicamentos e sendo encaminhados para as unidades de saúde quando necessário.

Segundo ambos, atualmente há vagas nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI) e em leitos de internação. O cenário de saturação, que foi visto nas semanas passadas, quando a ocupação chegou a 97%, está superado.

Hoje está em 88% a taxa de ocupação e, com a perspectiva de incremento de leitos, haverá oferta aos que precisam.

Mendes relatou ainda que existe uma estimativa de que mais de 50% da população já tenha contraído o vírus, o que é um bom sinal. Ele argumenta que o problema não é se contaminar e sim o agravamento da doença, que exige mais do Sistema Único de Saúde e gera colapso.

Comércio não-essencial

Na entrevista, Mendes ainda anunciou um novo decreto, com validade para todo Mato Grosso, e que inclui a retomada do comércio considerado não essencial.

Segundo o governador, uma parcela pequena de atividades está sendo penalizada, enquanto outras estão atuando normalmente.

Em vários momentos, citou a expressão “é preciso conviver com o vírus”.

LEIAM TAMBÉM:

Na avaliação dele, a única solução para a covid é a vacina, cuja perspectiva de passar a ser administrada é o próximo ano.

“Não temos como sacrificar mais a economia. E o comércio não é o grande vilão. As pessoas pegam covid nos bairros, nas igrejas e em outros pontos”, citou.

Vale lembrar que o relaxamento é válido para todo o Mato Grosso, exceto Cuiabá, onde há uma liminar da Justiça exigindo a ampliação da quarentena.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAprender a conviver
Próximo artigoEleições 2020: oito parlamentares de MT querem trocar de mandato