Áreas recuperadas pelo agro absorvem gases responsáveis pelo efeito estufa, diz pesquisadora

Em oito anos, o Brasil sequestrou o equivalente a metade do que a Noruega emitiu em CO2

A recuperação de áreas pela agropecuária brasileira foi responsável pelo sequestro de 200 milhões de toneladas de CO2 equivalente nos últimos oito anos. Na prática, isso significa que a agricultura brasileira absorve metade das emissões da Noruega, por exemplo. A absorção destes gases decorre da recuperação de 59 milhões de hectares de terras agricultáveis por meio de investimentos financiados pelo Plano Agricultura de Baixa Emissão de Carbono – Plano ABC, que injetou R$ 17 bilhões em crédito para os produtores rurais entre 2010 e 2018.

Os dados foram apresentados pela diretora de sustentabilidade e terras irrigáveis Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Mariane Crespolini, ao presidente da República Jair Bolsonaro, nesta segunda-feira (09). De acordo com o levantamento do Mapa, a recuperação de área no país supera em 167% a meta fixada voluntariamente pelo Brasil no Acordo de Copenhagen.

Com isso, o Brasil se consolida como um dos principais países do mundo em produção sustentável. De acordo com a apresentação de Mariane Crespolini, com as tecnologias disponíveis e investimentos do governo e dos produtores rurais, o país tem potencial para dobrar sua produção de alimentos sem que seja necessária a abertura de novas áreas ou o desmatamento ilegal da Amazônia. “Se o mundo precisar de 70% a mais alimentos, como aponta a FAO, temos condições de abastecer a demanda somente com a aplicação de tecnologias e aumento de produtividade”.

Atualmente o Plano ABC, que financia iniciativas sustentáveis, é dividido em sete tecnologias, Recuperação de Pastagens Degradadas (RPD); Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (iLPF) e Sistemas Agroflorestais (SAFs); Plantio Direto (SPD); Fixação Biológica de Nitrogênio (FBN); Vegetação Nativa; Tratamento de Dejetos Animais (TDA); Adaptação às mudanças climáticas.

Para exemplificar os benefícios da aplicação dessas tecnologias para a produção rural, a diretora do Mapa apresentou o caso de uma fazenda de Goiás. Segundo Crespolini, em 2006, a fazenda tinha alto grau de degradação das suas áreas produtivas. Em uma área de 1.170 hectares, gerava apenas três empregos e tinha um prejuízo anual de 200 reais – o equivalente a 50 dólares.

Com a adoção do Plano ABC, a fazenda gera hoje quase 30 empregos. Na safra 2017/2018, a margem líquida, já descontando todos os custos, impostos e também depreciação de equipamentos, foi de R$ 1904, quase 500 dólares por hectare.

Produtividade

A produção agropecuária ocupa apenas 30% da área total do território. E, historicamente, o incremento da produção do agro brasileiro tem sido explicado pelo aumento de produtividade. Segundo Mariane, de 1976 a 2018, a área aumentou em 33%, enquanto a produção de alimentos aumentou em 386%. O aumento da produtividade, teve um efeito poupa terra de 150 milhões de hectares. Em outras palavras, se não fosse o aumento da produtividade, para ter a produção atual, o Brasil precisaria de mais 150 milhões de hectares.

Neste contexto de aumento da produção, com aumento da produtividade, da área total do Brasil, 51% é floresta intacta. E que outros quase 15% são áreas que chamamos de Preservação Permanente e de Reserva Legal.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorHá faixas na UFMT – e não são vermelhas
Próximo artigoAlexandre Taleb: “Imagem pessoal não se resume a boa aparência”

O LIVRE ADS