Áreas comerciais esvaziadas pelo VLT estão ficando para trás (de novo)

Indefinição gera insegurança para o comércio e pontos nos centros de Cuiabá e Várzea Grande ficam fora do ciclo imobiliário

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

A indefinição sobre a instalação do modal de transporte que cortará o centro de Cuiabá e Várzea Grande continua a prejudicar áreas comerciais, atingidas desde 2013 pelo projeto do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). Agora, elas estão praticamente de fora do ciclo de crescimento imobiliário. 

O Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis (Secovi) diz que Mato Grosso entrou num ciclo de expansão do setor no ano passado, favorecido pela queda dos juros e pelos sinais de crescimento do país. 

Os números foram tão bons, mesmo num cenário pandemia, que registram a maior alta no histórico de movimentação desde 2015, quando Cuiabá e Várzea Grande saiam da “ressaca” da Copa do Mundo – com obras inacabadas e o maior projeto (o do VLT) paralisado por suspeita de corrupção política. 

Por esse tempo, áreas comerciais nas duas cidades já haviam sofrido desvios de fluxo de pessoas, o que fez despencar as atividades em determinados pontos e levou pequenos e micro empresários à falência. Outros foram praticamente forçados a desistir de seus pontos, por causa da necessidade de desapropriação. 

Avenida Prainha, no centro de Cuiabá, é um dos exemplos de esvaziamento por conta do VLT (Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Esvaziamento 

O impacto do modal fez surgir opiniões sobre “áreas fantasmas”, esvaziadas pelo projeto polêmico e que continuam sem previsão de conclusão.  

“Não diria que sejam áreas fantasmas, pois sempre há a possibilidade de recuperação, desde que haja revitalização e um trabalho conjunto para tornar essas áreas atrativas. Mas isso passa pela definição se teremos ou não a instalação de algum modal, seja ele qual for”, disse o presidente do Secovi, Marcos Pessoz. 

É essa indefinição que volta a assombrar. Pessoz afirma que alguns pontos ao longo do trajeto do modal continuaram sem aposta de empresários visto que a lição já foi apreendida com os prejuízos do VLT. 

Hoje, o Centro Histórico de Cuiabá, por exemplo, continua com pouco fluxo pela obra paralisada: caiu o movimento, os empresários saem dos locais para frear perdas e a ocupação é feita pela criminalidade. 

Na época, A Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) estimava que ao menos 40% das empresas no entorno direto às obras do VLT fecharam as portas e deixaram de manter 500 empregos diretos

Fora isso, mais de 300 imóveis entraram para a lista de desapropriações na Grande Cuiabá 

Avenida da FEB, em Várzea Grande, recebeu os trilhos e só (Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Ciclo de crescimento 

O Secovi afirma que a queda de juros no ano passado impulsionou a venda de imóveis residenciais e comerciais em Cuiabá. Os números foram puxados, principalmente, pela maior segurança das classes média e alta. 

Em 2020, houve movimentação de R$ 3,2 bilhões em venda de imóveis. Somente de outubro a dezembro, foram movimentados R$ 1,1 bilhão, mostrando um encerramento de ano aquecido. 

Os dados são considerados como a abertura de um ciclo de sete anos de crescimento. A estimativa é que o mercado imobiliário continue a crescer num patamar semelhante por mais seis anos. É dessa retomada que áreas que estão no projeto do VLT (ou BRT) estão para escanteio. 

“E não é um problema simples. Só na Justiça, temos processos de desapropriações que duram mais de sete anos. Por que demora tanto? O Estado tem a faca e o queijo nas mãos. Mas, se demorar muito para definir, esse tempo vai passar e não sabemos quando terá chance de retomada de novo”, pontua Pessoz. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorHomem morre afogado ao entrar em rio para salvar amigo
Próximo artigoJustiça mantém prisão de 12 acusados de integrar Comando Vermelho