Aras atende a pedido do PT contra autonomia do Banco Central

Procurador-geral da República pede para vetar a autonomia do Banco Central decretada por Bolsonaro

Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) realiza sabatina de Augusto Aras, indicado para o cargo de procurador-geral da República. rrÀ mesa, indicado para o cargo de procurador-geral da República (PGR), Augusto Aras.rrrFoto: Pedro França/Agência Senado

Na noite dessa quarta-feira (28), o procurador-geral da República Augusto Aras emitiu um parecer ao Supremo Tribunal Federal (STF) pela derrubada da lei que estabeleceu a autonomia do Banco Central.

De acordo com o procurador, existe um “vicio de iniciativa” no projeto que prevê mais liberdade ao órgão. Dessa forma, a autonomia teria que ser vetada.

“Por conseguinte, seja por vício de iniciativa, seja por afronta ao processo legislativo bicameral, a Lei Complementar 179/2021 há de ser declarada formalmente inconstitucional”, afirmou o PGR.

Aras ainda apontou um suposto vício técnico na tramitação da proposta no Congresso.

De acordo com ele, um projeto de autoria do governo federal foi “juntado” a outro, proposto por um parlamentar, mas apenas o último passou pela deliberação no Senado.

A ação foi impetrada pelo Partido dos Trabalhadores (PT) e pelo Partido Socialismo e Liberdade (Psol), ambos de oposição a Bolsonaro. No documento, os partidos afirmam que a autonomia do banco central poderiam causar a “descoordenação das políticas monetária e fiscal”.

Autonomia do BC

A autonomia do Banco Central tinha sido decretada pelo presidente Jair Bolsonaro no dia 24 de fevereiro desse ano. O projeto atendia a uma antiga demanda do país e foi pensada pela equipe do Ministério da Economia.

A intenção do governo é dar mais estabilidade e liberdade ao órgão para dinamizar a economia nacional.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEm um mês, MT registra queda de 36,2% em internações por covid-19
Próximo artigoA conciliação na Justiça do Trabalho