Aquecimento nas vendas: onda de calor faz crescer em 30% procura por ar-condicionado

Calor excessivo e temperatura de até 44ºC fizeram aumentar procura por produtos que deixam o ambiente mais fresco em Cuiabá

(Foto: CDL Porto Alegre/Divulgação)

Cuiabá, 30 de setembro de 2020: recorde histórico de calor com 44ºC, segundo a medição do Instituto de Meteorologia (Inmet); a maior temperatura registrada desde 1910. E as altas temperaturas aqueceram também as vendas de ar-condicionado, umidificadores e ventiladores.

A estimativa da Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) é de que a procura por esses produtos tenha aumenta em 30%, em comparação com o mesmo período de 2019.

E o aumento nas vendas vem em bom momento.

“É mais recurso injetado na economia, gera confiança no empresário, que contrata mais, que também gera confiança no comprador e todos ganham”, explica o superintendente da CDL, Fábio Granja.

LEIA TAMBÉM

Os clientes que procuram os produtos para deixar o ambiente mais fresco buscam conforto ou economia. Isso porque, segundo Granja, o aumento na procura se dá também para troca de aparelhos defasados e que consomem muita energia elétrica.

A estimativa é que a conta fique mais cara para os mato-grossenses nos próximos meses. De uma forma geral, estima-se que o calor excessivo influencie num aumento de cerca de 20% no consumo de energia.

Nas lojas, o empresário que se adiantou e garantiu estoque está com as vendas garantidas. É que a demanda pelos produtos acabou com aqueles já estavam nas prateleiras.

“Quem não fez o seu estoque regulador com um pouco mais de inteligência vai começar sofrer com a faltar produto agora, não vai conseguir atender seus clientes”, afirma o  gerente de marketing de uma distribuidora, Thiago Brito.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anterior“Público e notório”
Próximo artigoCunhado de Gilmar Mendes é de réu da operação “E$quema S”