Aprosoja pede que produtores busquem informações sobre o uso de Xtend e Dicamba

Associação quer evitar prejuízos na safra brasileira e alerta que as condições climáticas no Brasil são diferentes da americana

Foto: Agência Brasil

A Associação dos Produtores de Soja e Milho (Aprosoja Brasil) emitiu um comunicado orientando os sojicultores brasileiros a buscarem informações sobre os impactos do uso do Xtend em suas lavouras. Essa tecnologia é tolerante ao Dicamba, um herbicida para plantas de folhas largas muito utilizado nos Estados Unidos para o controle de ervas daninhas.

Segundo a Aprosoja Brasil , a Bayer tem convidado produtores de todo o país a participar de testes com a nova tecnologia Xtend para sementes de soja a partir desta safra. No entanto, segundo a Associação, pesquisas de campo indicaram que o Dicamba tem apresentado problemas relacionados à deriva nas lavouras norte-americanas.

Tendo em vista que a soja é a cultura mais sensível ao herbicida, a Aprosoja Brasil e demais associadas estaduais orientam os sojicultores a buscarem com a empresa informações sobre os impactos do uso deste produto em suas lavouras.

Para a Associação, apesar de representar um atrativo ao produtor, ele não é obrigado a usar o herbicida. “Isso porque, segundo pesquisadores brasileiros, há outros produtos para controle de ervas daninhas no Brasil. Nos Estados Unidos, onde a tecnologia já foi lançada, as ervas daninhas são diferentes das existentes no Brasil. Lá o Dicamba se constitui em ferramenta essencial’, diz trecho do comunicado.

No texto, a Aprosoja argumenta ainda que o Dicamba seria um produto com regras de uso muito mais complexas para aplicação do que qualquer outro defensivo agrícola, o que, “consequentemente, apresenta mais riscos ao ser aplicado”.

Segundo a Associação, um dos problemas é o alto potencial de volatilização. No comunicado, a Aprosoja informa que o herbicida volatiliza e pode causar deriva se for aplicado em dias com temperaturas acima dos 29 graus celsius, umidade do ar abaixo dos 40%, ventos acima de 16 km/h e em dias com inversão térmica. “Se houver deriva na aplicação, os efeitos sobre a soja não tolerante são danosos”, alega.

Reclamações

No comunicado, a Associação traz números e relata que nos Estados Unidos mais de 2,7 mil reclamações foram abertas nos órgãos de controle por sojicultores que não usavam a biotecnologia e que tiveram lavouras atingidas pelo herbicida aplicado em fazendas vizinhas.

Para a Aprosoja, o risco de injúria é real e “os prejuízos serão inevitáveis se atingirem plantas em fase reprodutiva. A larga janela de plantio no Brasil propicia que isto ocorra, o que não acontece em território norte-americano, onde o plantio é feito em 15 dias. Mesmo lá, muitos produtores passaram a adotar a tecnologia para se protegerem da deriva”.

A Aprosoja Brasil e suas associadas pedem que os produtores questionem a empresa ao participarem de eventos-testes sobre possíveis danos, afim de evitar o cenário americano, principalmente, em razão das condições climáticas encontradas no Brasil.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCorpo de jornalista foi encontrado com ferimentos na cabeça
Próximo artigoANP faz interdições em postos e revendas de GLP de Mato Grosso