Aprosoja afirma que o PL do Funrural não se trata de perdão de dívida

De acordo com a entidade, os produtores seguiram a decisão do STF, que estabeleceu que não era necessário efetuar o pagamento do fundo

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Para a Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja) o Projeto de Lei nº 9252/17, que anula as dívidas do Fundo de Assistência do Trabalhador Rural (Funrural), não se trata de perdão de dívidas ou remissão de um passivo, mas de segurança jurídica e um salto no entendimento da justiça quanto à cobrança de tributos.

Essa avaliação é baseada nas decisões tomadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em 2010 e 2011, quando, por unanimidade, decidiu que o produtor rural (pessoa física) não deveria pagar o Funrural sobre a receita bruta, alegando, segundo a Aprosoja, que o tributo era absolutamente inconstitucional por quebra do princípio da isonomia tributária.

A associação pontua que a observação feita pelo STF foi baseada na comparação entre os urbanos – que pagavam o fundo sobre a folha, e os rurais, que eram submetidos ao pagamento da contribuição sobre a receita.

[featured_paragraph]Com isso, vários produtores, assegurados pela decisão do Supremo, deixoram de “recolher a contribuição social. Muitos desses produtores voltaram, inclusive, a pagar o tributo tal como o setor urbano (20% sobre a folha de salários), não havendo, portanto, um não recolhimento generalizado, como afirmam alguns”, relata trecho da nota publicada pela associação.[/featured_paragraph]

O presidente da Aprosoja, Antonio Galvan saiu em defesa dos agricultores, alegando que eles estavam assegurados juridicamente para diminuir a contribuição. “O produtor rural estava, não somente amparado pelo entendimento anterior do STF de que não havia mais necessidade de recolher o Funrural sobre a receita bruta, mas também, amparado por decisões em ações judiciais coletivas ou individuais, que também o amparava do não recolhimento”, menciona o representante.

Na nota, a Aprosoja diz acreditar que o termo “perdão de dívida” é equivocado, e ainda adverte, “Refis este que, nas palavras de um dos maiores tributaristas do país, Dr. Ives Gandra da Silva Martin, é o “primeiro Refis do mundo de um débito inexistente”.

A entidade ainda critica a Receita e a União. “Eles possuem, em verdade, uma expectativa de direito, uma pretensão de cobrar, sem certeza alguma, e isso, em grande parte, por conta de um Refis prematuramente aprovado no final de 2017”.

Imbróglio

Com a decisão diferente das tomadas anteriormente, no ano passado, o STF passou a considerar o tributo constitucional e, por 6×5, admitiu que a arrecadação pudesse ser cobrada sobre a receita da comercialização da produção.

A partir de então, a discussão ganhou espaço e uma “batalha” jurídica começou. Nela, alguns defendiam o pagamento retroativo do chamado passivo e outros que não deveriam ser cobrados, sendo que o último alegava ausência de base legal, “argumentando, neste caso, que o Senado, em setembro de 2017, retirara do ordenamento jurídico a base de cálculo, a alíquota e a forma de cobrança (sub-rogação) do Funrural mediante Resolução”, explica o informativo.

Estabilidade na tributação rural

Para a Aprosoja o PL do deputado federal Jerônimo Pizzolotto (PP/RS) tem finalidade de dar estabilidade e previsibilidade na tributação rural, “regulando de forma definitiva a contribuição de todos os produtores rurais, para afastar a pretensão da Receita de cobrar o que não se deve, e restabelecer balizas seguras para sua cobrança a partir de janeiro de 2018”.

Neste caso, o projeto que será votado pela Câmara dos Deputados é uma forma que o parlamento tem de compor este conflito, onde todos, de algum modo, ganham. Tanto o fisco, que terá devolvida receita daqui por diante, quanto o produtor, que terá paz e estabilidade em seus negócios para continuar respondendo por quase 30% do PIB, por mais de 40% das exportações, e pela geração de aproximadamente 20 milhões de empregos diretos e indiretos.

[featured_paragraph]Antonio Galvan adverte que “a agropecuária brasileira não pode continuar vivendo essa instabilidade jurídica, por isso, a necessidade urgente da aprovação do PL 9252 no Congresso Nacional para trazer, não somente justiça para os produtores rurais, mas também respeito para uma das classes que mais contribui para a base da economia do País”.[/featured_paragraph]

Ele ainda avalia que esse projeto é um meio legal de devolver segurança jurídica ao campo, pois caso o Funrural permaneça sem uma regulamentação definitiva, é pouco provável que os produtores confessem o débito e aceitem pagar pelo que não devem.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorHomem fica irritado ao ser buscado por irmão em bar e esfaqueia várias pessoas
Próximo artigo“Pet Day” terá cães e gatos para adoção neste sábado no Goiabeiras

O LIVRE ADS