Aposentados não poderão participar de eleição em faculdade da UFMT

Levantamento com os nomes dos servidores que passaram pela faculdade não consta nos sistemas da universidade, segundo a Comissão Eleitoral

(Foto: UFMT/Divulgação)

A eleição para a direção da Faculdade de Administração e Ciências Contábeis (FACC) da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) será na próxima terça-feira (7), mas uma situação tem gerado indignação: os servidores aposentados não poderão participar do processo eleitoral.

A permissão de voto aos aposentados é prevista em resolução do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe). Inclusive está previsto no edital. Porém, esse ponto não está sendo obedecido.

A Comissão Eleitoral chegou a reconhecer o vício no edital, “em razão da previsão da participação dos aposentados no colegiado eleitoral para escolha de diretor (contrário a Resolução CONSUNI 01/, de 1992)”, alegou com base no Conselho Universitário.

Além disso, pontuou ainda que buscou nas fontes oficiais da UFMT a listagem dos aposentados com ex-lotação na FACC. Porém, esse levantamento não existe nos sistemas oficiais da universidade.

Decepcionante

Uma pessoa que integrou o quadro de servidores da faculdade por mais de 20 anos e hoje está aposentada, demonstrou indignação com a situação.

Ela, que preferiu não se identificar, narrou que nunca teve esse tipo de exclusão nas eleições anteriores.

“É um caso inédito. Causa uma indignação. A Comissão Eleitoral deveria se empenhar mais para que participássemos”, disse.

A pessoa acredita que a tendência dos aposentados seria de votar em determinado candidato, disse sem revelar qual.

A docente Cecília Arlene Moraes está na ativa e defende que os colegas aposentados também participem das eleições.

“Queremos que todos votem para manter a licitude e integridade eleitoral, meus colegas merecem respeito e consideração”, disse.

Receio

A professora Giseli é uma das candidatas e se mostra receosa que os colegas não consigam votar, por conta de um problema administrativo.

Candidata à direção da faculdade, a professora já protocolou o pedido junto à Comissão Eleitoral para garantir os votos dos aposentados. A resposta informou que permanecia o problema administrativo.

Diante disso, será feita uma nova solicitação, informou a professora.

“O edital é soberano, dita as regras e precisa ser respeitado”, afirmou.

O que diz a UFMT?

A Universidade foi procurada pelo LIVRE, mas, até o fechamento desta matéria, não houve posicionamento. O espaço segue aberto para as manifestações.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.