Aposentado, mas muito vivo: faça planos, execute-os e não sofra

Mudar de carreira ou atuar na atividade dos sonhos depende de autoconhecimento e atitude

Aposentadoria. Uma palavra que por muito tempo esteve associada a descanso e ócio, hoje ganhou novos sinônimos. O aumento da expectativa de vida das pessoas e os ciclos de altos e baixos da economia mostram que cada vez mais as pessoas precisam se planejar para desenvolver atividades após deixarem suas carreiras.

Segundo a coaching para aposentadoria Neide Arantes, muitas vezes a reinvenção ou transição de carreiras acontece antes do previsto, tendo em vista as mudanças na economia.

Neide Arantes é autora do livro box sobre aposentadoria ( Foto: Bruno Castro Bini)

Mudanças nas relações de trabalho e ainda a inserção de novas tecnologias podem ser outros gatilhos para o que ela chama de “despertar”.

Arantes acaba de lançar o livro “Coaching para aposentadoria – 100 perguntas para pensar sobre a transição de vida”. A publicação é uma espécie de jogo de cartas em que, ao invés de naipes e números, estão reflexões.

Entre elas, quais são as aptidões e desejos que ficaram guardados devido às necessidades de sobrevivência, a pressão da família e até mesmo as circunstâncias da vida.

A autora explica que as pessoas precisam ter um plano e, por vezes, criam barreiras para não discutir sobre isso, porque acham que a transição é algo longe de acontecer ou temem se sentir obsoletos.

“No entanto, isto é natural e irá garantir mais vida e saúde física, psicológica e também familiar”.

Livro é composto de uma série de cartas que levam as pessoas a refletir sobre aposentadoria. (Foto: Bruno Castro Bini)

Planejar é preciso

Uma empresa em novo segmento, uma nova faculdade, ou até mesmo o trabalho voluntário. Qualquer que seja a atividade, precisa de planejamento.

E antes de começar é importante saber se você precisa ter uma remuneração com a nova carreira ou não – e de quanto é a sua pretensão.

Arantes lembra que, com a aposentaria, a renda familiar reduz – e se manter no mercado pode ser uma forma de manter o padrão de vida.

Em seguida, é preciso buscar ajuda para construir um planejamento. Com objetivos, metas e cronogramas.

Por mais difícil que pareça, a autora fala que é o único jeito de se ter uma vida plena.

“O primeiro passo é se autoconhecer, depois ser honesto consigo mesmo e tomar atitudes com ponderação”.

Falta de rotina produtiva pode levar o idoso a problemas de saúde físicos e psicológicos (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Impactos da aposentadoria sem planos

Os primeiros meses são libertadores, mas logo o fato de o despertador não o chamar para os compromissos matinais, não ter um trabalho a ser executado e nem uma rotina começam a pesar.

Depois, a pessoa que se afasta da carreira começa a sentir o ostracismo de não ter mais as rodas de amigos, as festas e eventos que antes vinham das relações profissionais.

“A saúde emocional fica abalada, tanto da pessoa como da família, que não está habituada a ter convivência diária com o então aposentado”.

Quanto mais cedo se pensa no processo de transição, melhor. Arantes acredita que a partir dos 30 anos as pessoas já devem começar a idealizar como será sua “aposentadoria”, construir um plano e iniciar a execução.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPaulo Gustavo invade cinema para comemorar bilheteria de Minha Mãe é Uma Peça 3
Próximo artigoFrozen 2 e o terror O Farol marcam 2020 como as primeiras estreias do ano

O LIVRE ADS