Após um mês de decreto, MT tem aumento de 145% nos casos de covid-19

Governo de MT até tentou medidas mais rígidas, mas foi derrotado na Assembleia Legislativa ao propor antecipação de feriados

Foto: Ednilson Aguiar/O Livre

Na próxima sexta-feira (2), o decreto do governador Mauro Mendes (DEM) que instituiu novas medidas para tentar conter a covid-19 completa um mês. O documento inclui a restrição no horário de funcionamento do comércio e toque de recolher. Mas quase um mês depois dessas regras entrarem em vigor, o Estado registrou um aumento de 145% no número de novos casos.

Para tentar conter o avanço do vírus, o governo determinou que o comércio fechasse as portas às 19h, de segunda a sexta-feira. Aos sábados, o fechamento ocorre ao meio-dia. Nos domingos, nenhuma atividade é permitida.

As exceções são apenas farmácias, serviços de saúde, funerárias, postos de combustível, imprensa, hospedagem, serviços de guincho, segurança e vigilância privada, indústrias, transporte de alimentos e grãos, e serviços de manutenção de atividades essenciais, como água, energia, telefone e coleta de lixo.

Mendes também proibiu a circulação de moradores entre 21h e 5h e previu multa para quem descumprisse as regras.

“Estamos no limite da nossa capacidade de abrir UTIs, porque estão faltando médicos e os demais profissionais que são necessários. Temos que tomar medidas mas restritivas para evitar a circulação das pessoas”, afirmou o governador na época.

Foto: Ednilson Aguiar/O Livre

Decreto em vigor

As medidas passaram a valer no dia 2 de março, uma terça-feira. Neste dia, segundo a Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT), 1.255 novos casos foram confirmados em Mato Grosso. As taxas de ocupação de leitos variavam entre 88% (caso das UTIs adulto) e 59% (enfermaria adulto).

Uma semana depois, no dia 9 de março, o Estado registrou 1.603 novos casos da covid-19. Um aumento de 27% nos primeiros sete dias. No mesmo período, as taxas de ocupação de leitos também subiram e atingiram os percentuais de 96,47% e 59%.

A validade do decreto expiraria em 16 de março, dia em que 2.275 novos pacientes confirmaram a doença e os índices de ocupação dos leitos também subiram: 96,90% para UTIs adulto e 66% para enfermarias adulto.

Com o avanço da doença, o governo decidiu prorrogar as medidas, que agora valem até 4 de abril.

Mais uma vez, aparentemente, não deu certo. Já na terça-feira (30), quase um mês de vigência das regras, o número de casos novos mais que dobrou e Mato Grosso registrou 3.075 novos pacientes.

Em relação aos outros dias analisados, esse foi o único com queda na taxa de ocupação de leitos que ficou em 97,47% para UTIs adulto e em 61% para enfermarias.

Foto: Ednilson Aguiar/O Livre

Antecipação de feriados

Sem um efeito prático das medidas em vigor, o governador, então, encaminhou à Assembleia Legislativa (ALMT) um projeto que anteciparia feriados. A proposta valeria entre os dias 26 de março e 4 de abril, contando 10 dias corridos; uma espécie de  lockdown “disfarçado” de feriadão.

A ideia foi apresentada no dia 22 de março, quando o Estado teve 3.130 novos casos de covid-19 e a taxa de ocupação das UTIs bateu a marca dos 98%.

Durante o feriadão antecipado, as medidas já previstas no decreto de 1º de março continuariam em vigor. Mas, para restringir ainda mais a circulação de pessoas as atividades econômicas parariam e o governo intensificaria a presença das forças policiais nas ruas.

Como justificativa para o projeto, Mendes citou a baixa adesão ao isolamento social em Mato Grosso; o pior do Brasil. Segundo o Mapa Brasileiro da covid-19, hoje só 29% dos mato-grossenses têm aderido a esse estilo de prevenção.

O índice variou em função da medidas decretadas e aprovadas: 41,3% (01/03); 30,9% (09/03); 32% (16/03) e 58,9% (22/03).

Foto: Ednilson Aguiar/O Livre

O projeto do governo, porém, não vingou e sequer chegou a ser analisado em plenário pelos deputados: a proposta foi rejeitada e arquivada ainda na análise das comissões.

Diante da derrota, o governador apelou para a consciência individual. “Com ou sem feriados, quero pedir a colaboração de todos para que nos esforcemos para praticar e reforçar o distanciamento social. O momento exige isso para salvarmos a sua vida, a vida da sua família e das pessoas que você ama”.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorTRE afasta servidor acusado de fraudes de até R$ 15 milhões
Próximo artigoHotel oferece diárias a R$ 175 para aproveitar as belezas do Pantanal