Após protestos e reuniões, deputados adiam sessão, mas servidores continuam na AL

A mobilização dos servidores para impedir a votação de projetos como da restrição do pagamento da revisão geral anual começou já no início da manhã desta terça-feira

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

A Justiça determinou a desocupação da Assembleia Legislativa, mas os servidores públicos do Estado permaneceram no Parlamento, inclusive, no plenário de votações. Os deputados estaduais decidiram que votariam os projetos que integram o pacote fiscal do Governo do Estado, nem que para isso tivessem que realizar a sessão desta terça-feira (22) em outro local. Por fim, a sessão acabou suspensa.

De acordo com os deputados Valdir Barranco (PT) e Janaina Riva (MDB), no entanto, não houve acordo com o governo nem com os parlamentares da base e as matérias alvo dos protestos serão votadas sem alteração. “O governo quer que vote imediatamente. Viemos comunicar ao Fórum Sindical que não houve acordo e que a votação vai acontecer”, declarou o petista.

Sem acordo, os servidores anunciaram que a ocupação da Assembleia Legislativa continua noite adentro e Janaina Riva ressaltou que o presidente Eduardo Botelho (DEM) assegurou que não vai fazer cumprir a decisão judicial de reintegração de posse do Legislativo.

“A votação não tem hora nem data exata para ser realizada. O local também vai ser definido amanhã, mas o presidente disse que vai respeitar o direito dos servidores de se manifestar, de permanecer na casa de forma pacifica, sem violência, sem abordagem e sem nenhuma iniciativa para tirá-los daqui”, pontuou a parlamentar.

A partir do comunicado dos deputados, o Fórum Sindical informou que cada categoria vai convocar assembleia-geral para deliberar sobre a possibilidade de um movimento grevista.

Como foi a terça-feira 

A mobilização dos servidores para acompanhar a votação das matérias previstas na pauta da sessão noturna desta terça, especialmente a que trata da restrição do pagamento da revisão geral anual (RGA), começou já no início da manhã.

Diversas categorias lotaram o saguão, os auditórios e o plenário do Legislativo. Elas pedem a retirada imediata da pauta de votação os projetos da RGA, da criação da Lei de Responsabilidade Fiscal do Estado e da proposta referente ao conselho do MT Prev.

Ao longo do dia foram realizadas inúmeras reuniões entre deputados, representantes do Fórum Sindical e do Governo do Estado. Também teve uma decisão de reintegração de posse, na qual o juiz determinou que o Parlamento fosse desocupado no prazo de 3 horas, a partir da notificação, sob pena de multa diária de R$ 100 mil.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorGoverno mantém taxação do agronegócio e espera arrecadar R$ 1,46 bilhão
Próximo artigoNotas de corte do Sisu serão divulgadas em quatro horários

O LIVRE ADS