Após dois anos implorando medidas protetivas, mulher é esfaqueada pelo ex

Ela só não foi assassinada porque reagiu e testemunhas a ajudaram a desarmar o suspeito e detê-lo; ele quase foi linchado

Imagem ilustrativa (Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Um homem de 47 anos foi preso nessa quinta-feira (19) após esfaquear a ex-mulher, de 41 anos, tentando matá-la.

A vítima, no entanto, reagiu e testemunhas que viram a cena a ajudaram, salvaram a mulher e quase lincharam o suspeito, que foi bastante agredido.

O caso aconteceu no Terminal André Maggi, no centro de Várzea Grande (região metropolitana de Cuiabá), por volta das 17 horas.

A tentativa de feminicídio foi anunciada pelo suspeito por dois anos e a vítima registrou diversos boletins pedindo a proteção da polícia.

Briga no terminal

Conforme o boletim de ocorrência, a vítima descia do ônibus com seu filho quando foi esfaqueada na lombar pelo criminoso.

Ela começou a lutar com ele e conseguiu desarmá-lo com a ajuda das testemunhas, que o seguraram e passaram a agredi-lo.

A mulher foi socorrida e encaminhada ao Pronto-Socorro de Várzea Grande, onde recebeu atendimento médico.

A Polícia Militar foi acionada pelas testemunhas e, quando chegou, encontrou o suspeito detido pelas pessoas. Elas contaram o que havia ocorrido e que ele só não havia matado a vítima porque tinha sido impedido e agredido por todos.

À polícia, o preso confessou que a intenção era realmente matar a ex-mulher e o motivo era porque ela já o havia denunciado várias vezes.

Crime anunciado

O relacionamento dos dois já havia acabado há dois anos. A vítima já tinha medidas protetivas e denunciava o suspeito desde 2018.

Em maio de 2018, ela registrou um boletim de ocorrência relatando as ameaças. Ele, inclusive, já dizia que iria matá-la e que a pegaria em um ponto de ônibus. À época, os dois ainda eram conviventes.

Em junho do mesmo ano ela já possuía medida protetiva contra ele, mas denunciou que ele a perseguia, havia corrido atrás dela e de uma amiga com uma faca e a ligou dizendo que a mataria.

Em abril de 2019 ela já estava com outra pessoa, mas isso não impediu que o suspeito entrasse duas vezes na casa dela com uma faca tentando matá-la.

Ele chegou a ser preso, próximo à casa dela, e com uma faca na cintura. Durante o caminho para a delegacia, ameaçava que sairia da cadeira e mataria a ex-mulher.

Ele ficou preso por seis meses e, quando saiu, em dezembro, ligou para a vítima novamente e ameaçou matar o filho da vítima, de nove anos, e depois ela, ambos degolados. A criança ouviu a ameaça e estava com a mãe no momento do crime nessa quinta-feira.

A mulher pediu novamente medida protetiva, mas isso não impediu o suspeito de concretizar as ameaças nessa quinta-feira e esfaqueá-la no terminal André Maggi.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.