Após 12 anos de sofrimento, jovem conta ser estuprada pelo padrasto desde criança

Os estupros começaram aos 11 anos de idade, mas somente agora, após mais um abuso, ela conseguiu contar à família e recebeu apoio para denunciar

Imagem ilustrativa

Cansada de anos de sofrimento, uma jovem de 23 anos resolveu, nesse domingo (17), denunciar o padrasto, de 48 anos, que já a vinha estuprando há 12 anos.

Os abusos começaram quando ela tinha apenas 11 anos, mas somente nesse domingo, após mais um estupro, a jovem conseguiu contar à família, que a encorajou a denunciar.

A Polícia Militar foi acionada no Bairro Jardim Pioneiro, em Rondonópolis (220 km de Cuiabá), por volta das 22 horas, e quando chegou a vítima já começou a relatar os 12 anos de sofrimento.

Segundo relato da vítima, nesse domingo, após estuprá-la, o padrasto a deixou na casa de uma tia e foi para casa, situada no Assentamento Gleba Dom Bosco.

Prisão

Os policiais acionaram reforços e foram até a gleba em busca do suspeito, mas, quando chegaram ao local, ele fugiu pelos fundos, pulando o muro e entrando em uma região de mata.

Os policiais cercaram o local e após alguns minutos o localizaram. Ele tentou resistir à prisão usando um pedaço de madeira, mas acabou preso após os militares utilizaram um disparo de arma de energia conduzida.

Ele precisou ser levado até uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) para ser realizada a remoção do cartucho da spark. Em seguida, foi encaminhado para a delegacia algemado.

Provas

A vítima mostrou para os policiais conversas no WhatsApp em que o padrasto dizia que mantinha relações sexuais com ela desde os 11 anos de idade.

Além disso, a mãe dela – esposa do suspeito – denunciou que além de abusar da filha, o marido também a agride e que inclusive havia apanhado pouco antes de os policiais chegarem.

A casa da família, inclusive, estava com os móveis todos revirados, como se tivesse acontecido uma briga recente.

O caso foi registrado como estupro, lesão corporal e resistência.

O LIVRE produziu um manual para você saber como agir, caso tenha sido vítima ou testemunha de um crime sexual:

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorA educação domiciliar como alternativa possível neste momento
Próximo artigoInteligência emocional na Saúde

O LIVRE ADS