Apenas 46 municípios em Mato Grosso têm leitos de UTI, aponta estudo

70% dos municípios em Mato Grosso não possuem condições de atender pacientes com a forma grave do coronavírus

(Fotos: Marcos Vergueiro/ Secom-MT)

Em Mato Grosso, apenas 33% das cidades têm leitos de Unidade de Tratamento Intensiva (UTI) disponíveis para atendimento de pacientes. E, a grande maioria, está concentrada em Cuiabá. 

Na prática, apenas 46 dos 141 municípios estão preparados para internar pacientes com a forma grave do covid-19. 

Quem analisou os dados sobre a disponibilidade de leitos foram os pesquisadores do Departamento de Geografia e do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). 

“Existe grande concentração dos leitos hospitalares em geral e das UTI em Cuiabá. Esta concentração reflete diretamente a capacidade do Estado em atuar frente aos problemas de gerenciamento dos serviços de saúde. A maioria dos municípios mato-grossenses (67%) não possui nenhuma UTI, e em 20 municípios há apenas uma”, pontua. 

O estudo foi realizado com o objetivo de avaliar a infraestrutura da rede saúde em Mato Grosso para enfrentamento da infeção do coronavírus nas próximas semanas. 

Proporção 

A base de averiguação do estudo seguiu as 16 regiões de saúde em que Mato Grosso divide a rede de atendimento.  

Ele aponta, com base em dados do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES) e do Sistema de Informação Hospitalares (SIH/SUS) do Ministério da Saúde, a quantidade de 4.829 leitos em Mato Grosso, sendo 3.386 do Sistema Único de Saúde (SUS) e 1.444 em hospitais particulares. 

Para a proporção de um leito para cada grupo de dez mil habitantes, o índice é de 13,7 leitos.

“Porém, esta proporção é bastante desigual nas diferentes regiões de saúde do estado, variando de taxas de 8,9 a 18,5 leitos por 10 mil habitantes”. 

Se considerados apenas os leitos de UTI, a média fica em 2,16 leitos na proporção de 10 mil habitantes. Esse número está na faixa recomendada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) de 1 a 3 leitos para o mesmo grupo. 

Desproporção

Cinco municípios concentram até nove vezes o número de leitos acima da média recomendada pela OMS.  Cuiabá tem a maior média com 18,5 leitos para cada 10 mil pessoas, Água Boa aparece logo em seguida com 16,4/10 mil.  

Eles são seguidos por Sinop (8,95), São Félix do Araguaia (9,23) e Tangará da Serra (9,85). 

Porém, no caso de Água Boa, nenhum leito disponível é para internação em UTI. O município está lista dos polos para atendimento da saúde na região norte de Mato Grosso. Junto com São Félix do Araguaia, região concentra 120 mil habitantes, abrangendo 13 municípios. 

Conforme o estudo da UFMT, a taxa de leitos por 10 mil habitantes dessas cidades varia de 0,22 e 1,10 leito. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMais 141 produtos para combate à pandemia têm Imposto de Importação zerado
Próximo artigoFundo destinará auxílio a famílias de Amazonas, Mato Grosso e Rondônia