Ao espancar a esposa, marido diz que ia bater só na cabeça, para não deixar marcas

A jovem foi agredida e esganada com a filha do casal no colo; o homem ainda ameaçou jogá-la pela sacada

Um homem de 32 anos foi preso no início da manhã deste sábado (11) depois de espancar a companheira, de 22 anos. Enquanto a agredia e esganava dentro do prédio em que os dois moram com a filha, no Bairro Jardim Santa Marta, em Cuiabá, o homem teria dito à vítima que bateria só na cabeça dela, “para não deixar lesões”.

Conforme o boletim de ocorrência, as agressões tiveram início durante a noite, quando o homem chegou em casa “visivelmente embriagado”. A jovem disse ao companheiro que iria ao aniversário de uma amiga e, por isso, começou a ser xingada.

Não se contentando com as agressões verbais, ele partiu para cima da companheira, a esganando, apertando os braços dela, a dando socos na cabeça e puxões no cabelo – tudo isso enquanto ela estava com a filha dos dois, de cerca de dois anos, no colo.

Durante o terror vivido, a vítima ainda teve a boca tapada para que não gritasse, ouviu que iria apanhar só na cabeça para não ficar com lesões e foi ameaçada de ser jogada da sacada do apartamento dos dois.

Em determinado momento, a jovem conseguiu se desvencilhar do marido, fugiu e acionou a Polícia Militar, que chegou rapidamente ao local, visto que a mãe precisou deixar a filha na casa para poder pedir por socorro.

Quando a equipe policial chegou ao apartamento dos dois, encontrou o suspeito no quarto, com a filha nos braços. Ele foi preso, a bebê foi entregue à mãe e os três foram encaminhados para a Central de Flagrantes de Cuiabá, onde o caso foi registrado como injúria, lesão corporal e ameaça.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

1 COMENTÁRIO

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorQuer ganhar um ensaio fotográfico? Projeto Lunaar troca fotos por ração
Próximo artigoParlamentar quer fim de “regalias” a ex-presidentes condenados