ANP faz interdições em postos e revendas de GLP de Mato Grosso

Em Cuiabá, foram oito os postos interditados

(Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Dezenove postos de combustíveis foram interditados em Mato Grosso por fraudes na bomba de combustível ou problemas de qualidade.

A fiscalização, feita pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), teve início no dia 23 de setembro e passou por 26 municípios – entre eles, Cuiabá. Na Capital foram fiscalizados 29 postos, dos quais oito foram interditados e nove receberam autos de infração.

Responsável pela regulação das atividades, a ANP também interditou cinco revendedoras de gás de botijão, o GLP. Segundo a assessoria de imprensa, a medida foi necessária em razão de falta de segurança nas instalações.

Já as interdições nos postos de combustíveis foram feitas devido a fraudes encontradas. Em alguns dos estabelecimentos, o volume de combustível fornecido era inferior o que se registrava na bomba. A situação é conhecida como “bomba baixa”.

Dos 19 postos fechados temporariamente, apenas um se deu por armazenamento irregular. Conforme a ANP, os combustíveis devem ser armazenados, obrigatoriamente, em tanques subterrâneos.

Ao todo foram fiscalizados 158 postos de combustíveis, 15 revendas de gás GLP e 5 distribuidoras. A ANP informou que as interdições serão mantidas até que as irregularidades sejam resolvidas.

Além das interdições, os locais também estão sujeitos a pagamento de multas, que podem chegar a R$ 5 milhões. O valor é determinado com o resultado de um processo administrativo.

A ANP não divulgou o nome dos postos interditados e autuados.  

Denúncias

Cidadão que quiserem denunciar irregularidades em postos de combustíveis podem fazê-lo pelo telefone 0800 970 0267 ou pelo site da ANP.

(Com assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAprosoja pede que produtores busquem informações sobre o uso de Xtend e Dicamba
Próximo artigoJuiz mantém prisão de acusados de hackear autoridades

O LIVRE ADS