Anonimato prejudicado

Justiça autoriza identificar autor de denúncias anônimas contra Arcanjo

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Três denúncias contra o ex-bicheiro João Arcanjo foram protocoladas no Fórum de Cuiabá. Elas, teoricamente, seriam anônimas, uma vez que o denunciante não colocou o nome em nenhuma delas, apesar de ter rubricado os documentos.

As denúncias resultaram em uma audiência de justificação, realizada, nesta quinta-feira (02), na Segunda Vara Criminal de Cuiabá. A suspeita é de que Arcanjo, condenado a 19 anos pelo assassinato do jornalista Sávio Brandão, teria, entre outras coisas, voltado a administrar pontos de jogos de azar.

Ocorre que o advogado do ex-bicheiro, Zaid Arbid, solicitou que fosse revelada a identidade de quem protocolou as denúncias. O promotor de Justiça Rubens Alves de Paula endossou o pedido, solicitando então que as imagens em vídeo fossem apresentadas. “Com a finalidade de ser ouvido neste juízo, para prestar melhores esclarecimentos”, fez constar nos autos.

O juiz Geraldo Fidélis, da 2ª Vara Criminal, acatou a solicitação da defesa e do Ministério Público Estadual. O magistrado, também por meio dos autos, determinou que o setor de protocolo identifique, por meio de imagens, quem formalizou a denúncia.

Questionado pela imprensa, Zaid disse que não entende a medida, de querer saber quem acusou seu cliente, como imprópria ou forma de intimidar outras denúncias. “Não vejo nada de anônimo. A denúncia anônima é inibida e proibida constitucionalmente. Se pegar a Constituição é possível ver que a denúncia tem que ter cabeça, tronco e membro”, disse se referindo que deveria ter fundamentos.

O advogado, contudo, reforçou que João Arcanjo não se valerá da identificação da autoria do denunciante para se fugir da apuração dos fatos. “Ele é a pessoa mais interessada em que os fatos sejam apurados e a verdade seja estabelecida”.

Quanto ao fato de o cliente cogitar em processar a pessoa que o acusou, Zaid disse que o Poder Judiciário é quem se encarregaria da questão. As denúncias foram registradas nos dias 26 e 28 de junho e 16 de julho deste ano.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCurso de Educação Patrimonial tem inscrições abertas
Próximo artigoJungmann pede que PF esclareça inquérito sobre professor da UFSC