Angústia, tristeza e obesidade: como a quarentena vem afetando as crianças

Psicóloga diz que as crianças também estão sendo afetadas pela restrição de ver os amigos e sair para passeios

(Foto: Reprodução/Escola Para Pais)

Seu filho está irritado, perde o sono ou comendo além do normal? Esses comportamentos podem ser efeitos da quarentena imposta pela pandemia da covid-19.

Oito meses após a declaração de estado de calamidade sanitária, que levou ao fechamento das escolas, as crianças estão sentindo bastante a interrupção abrupta de suas atividades cotidianas e do isolamento dentro de casa. 

Os pequenos também deixaram de ver os amigos, de ir aos passeios habituais e essas mudanças afetam o equilíbrio psicológico.

Crises de angústia e tristeza

Segundo a psicóloga e pesquisadora da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Micheli Jacobi, é “inevitável” que a cabeça dos filhos passe por uma fase de confusão por causa do isolamento – e os efeitos que vêm sendo observado até o momento são irritabilidade, níveis altos de ansiedade, alterações no apetite, crises de angústia e tristeza. 

“Há aproximadamente oito meses o contato físico acompanhado de beijos, abraços e apertos de mãos foram limitados na nossa rotina, bem como as atividades coletivas na escola. Não sabemos se esses sintomas são temporários, até porque a pandemia não está sendo temporária. Mas podemos pensar que um sintoma em constância afeta o psíquico”, explica. 

 A fragilidade emocional pode vir acompanhada de problemas de saúde. Após oito meses de pouca atividade e alterações no apetite, a obesidade infantil passou a ser considerada como um fator de maior incidência. 

Já as alterações de humor, comenta a psicóloga, pode ainda ter relação com o medo da morte ou de perda de um ente querido.

O conselho é conversar com os filhos e ajudá-los a processar, com limitações sobre o assunto, aquilo que alterou a sua vida. 

“Existem diferentes percepções sobre a pandemia, por isso é importante pensar, ouvir e falar com empatia, principalmente com as crianças. É recomendado criar uma rotina para os filhos, pois isso lhes dá segurança – e ainda é preciso explicar que os cuidados precisam ser mantidos”, disse. 

Cuidado com a internet 

A ansiedade para as crianças pode durar um pouco mais, por causa da discussão sobre quando será o momento adequado para o retorno das aulas. Hoje, boa parte das atividades sociais estão quase perto do normal, mas a reabertura das escolas ainda é um borrão no horizonte. 

Questionada se as redes sociais são recomendadas para colocar os filhos em contato com amigos, a psicóloga ressaltou que, apesar de a tecnologia ter se tornado uma aliada para a distração dos filhos durante o isolamento, o excesso também tem efeitos negativos. 

“Devemos pensar que o uso inadequado das tecnologias não faz bem para ninguém, em especial para as crianças, que podem receber informações que não são para a idade, ou ainda expô-las a um excesso de estímulos, com os jogos”, comentou. 

Elas servem para colocar os filhos em contato com parentes e amigos, mas é necessário cautela. O recurso, já conhecido dos pais, é monitorar o que está sendo acessado e com o que ou quem as crianças estão interagindo. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorGoverno decide não reabrir escolas e encerrar o ano letivo em dezembro em MT
Próximo artigo“Vachina” chega ao STF