Ampa reage a possível taxação

Mauro Mendes propôs a cobrança de tributos da produção de algodão

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

A Associação Mato-grossense dos Produtores de Algodão (Ampa) reagiu a possibilidade de cobrança de tributos da produção de algodão, cuja proposta foi entregue pelo governador eleito Mauro Mendes (DEM) ao atual gestor do Executivo, Pedro Taques (PSDB) na última terça-feira (11).

Por meio de nota, o presidente da Ampa, Alexandre Pedro Schenkel, disse que o segmento nunca foi formalmente convocado para uma discussão sobre o tema e que espera que as decisões não sejam tomadas de forma unilateral.

[featured_paragraph]“Sem diálogo e, principalmente, sem um conhecimento completo do funcionamento deste setor fundamental para a economia de Mato Grosso, que paga impostos, arrecada ICMS e ainda contribui atualmente com dois fundos (Fethab 1 e 2). Qualquer ação imprudente poderá gerar enormes prejuízos ao Estado”, alertou Schenkel. [/featured_paragraph]

A taxação do setor está presente na proposta de fusão do Fethab 1 com o Fethab 2 entregue por Mauro a Taques, pois cabe a ele encaminhá-la à Assembleia Legislativa para aprovação.

Veja a nota na íntegra:

Em relação às declarações do governador eleito, Mauro Mendes (DEM), sobre possível aumento dos impostos pagos pelos produtores de algodão, a Associação Mato-grossense dos Produtores de Algodão (Ampa) esclarece que o setor teve conhecimento das informações pela imprensa e que ainda não foi formalmente convocada para uma discussão sobre o tema.

A Ampa reitera publicamente que está à disposição da equipe de transição do novo Governo, bem como do próprio governador eleito, para apresentar os números do setor, o volume de contribuição já existente e os riscos no aumento da carga tributária que poderá gerar uma retração da economia, impactando as demais arrecadações e onerando a sociedade.

Esperamos que as decisões não sejam tomadas de forma unilateral, sem diálogo e, principalmente, sem um conhecimento completo do funcionamento deste setor fundamental para a economia de Mato Grosso, que paga impostos, arrecada ICMS e ainda contribui atualmente com dois fundos (Fethab 1 e 2). Qualquer ação imprudente poderá gerar enormes prejuízos ao Estado.

Os produtores de algodão não deixarão de cumprir com suas obrigações de pagar seus impostos e contribuir com o aumento de emprego e renda, mas defendemos que a atuação do Governo do Estado seja igualitária, fazendo a sua parte com a diminuição da máquina pública, pois desta forma terá o apoio de todos que contribuem para o desenvolvimento.

Alexandre Pedro Schenkel
Presidente da Ampa

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPor Romoaldo, Cultura fica com Kardec
Próximo artigoMercosul e UE não fecham acordo porque europeus não querem, diz Maggi