Produtores de algodão doam máscaras de proteção e materiais hospitalares em MT

Associação dos Produtores de Algodão (AMPA) arrecadará das algodoeiras e irá importar em caráter de urgência equipamentos de proteção

Um trabalho emergencial realizado pela Associação Mato-grossense dos Produtores de Algodão (AMPA) nesta segunda-feira (23), pretende arrecadar com as algodoeiras do Estado máscaras tipo PFF1, PFF2, PFF3 e PFF4 que serão doadas a hospitais públicos e particulares, para combater a pandemia do COVID-19. Mato Grosso possui em torno de 150 unidades de algodoeiras.

Além das máscaras arrecadadas, a AMPA irá importar em caráter de urgência equipamentos como roupas de proteção hospitalar, máscaras específicas e outros aparelhos médicos. “Já estamos em contato com fornecedores para a aquisição desses materiais que também serão doados”, pontuou o presidente da entidade, Paulo Sérgio Aguiar.

Essas máscaras fazem parte do equipamento de proteção individual (EPI) dos trabalhadores das algodoeiras. De acordo com o diretor executivo da AMPA, Décio Tocantins, a iniciativa partiu dos próprios produtores. “Os produtores de algodão querem contribuir de todas as formas no combate ao coronavírus no Estado. Nas algodoeiras são usadas essas máscaras, que são as mesmas recomendadas na prevenção”, afirmou.

A ideia, segundo o presidente, é atender prioritariamente as unidades de saúde. “Precisamos garantir a saúde desses profissionais que garantem um serviço essencial à sociedade, seja público ou privado”, ressaltou.

Décio Tocantins ressaltou ainda que a Associação também está orientando os produtores a adotarem medidas de prevenção, além de monitorarem seus colaboradores caso apresentem algum dos sintomas da Covid-19.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAmazon, Facebook e mais empresas reduzem a qualidade de streaming na Europa
Próximo artigoConfira como fica o cotidiano de Cuiabá com o regime de isolamento