Amaggi repassou ao Estado R$ 388 milhões de Fethab em 5 anos

Presidente do grupo depôs na CPI da Sonegação Fiscal, na Assembleia Legislativa de MT

O depoimento do presidente do Grupo Amaggi, Judynei Carvalho, na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga a Sonegação Fiscal em Mato Grosso, demorou cerca de duas horas.

Ele foi convocado pelos deputados para esclarecer denúncias de que as empresas do grupo não pagavam o Fundo Estadual de Transporte e Habitação (Fethab).

Amparado por números, assegurou que os impostos são pagos conforme as regras e que, nos últimos cinco anos, R$ 388 milhões foram repassados para os cofres estaduais.

Carvalho deu ainda esclarecimentos sobre a forma de cobrança, que está na lei. Ele disse que o valor do imposto é retido do pagamento dos agricultores nas operações originárias em Mato Grosso.

Com relação a incentivos fiscais, o presidente da Amaggi diz que o grupo muito pouco se beneficia. O incentivo ficaria “concentrado em uma única planta de produção de fertilizante” e abrangeria “10% dos produtos”, afirmou.

As demais perguntas dos deputados foram ligadas a estratégias, abrangências e atuação da empresa no Brasil e no exterior.

Portas abertas

Ao contrário do depoimento do doleiro Lúcio  Funaro, o depoimento de Carvalho foi aberto ao público.

O presidente da comissão, deputado Wilson Santos (PSDB), tinha anunciado isso antes do depoimento, quando já defendia a ampliação do prazo de vigência da CPI.

“Temos que analisar detalhes técnicos, contábeis e ainda solicitar informações da receita federal e dos portos. Então, acho que o trabalho dure mais de um ano”.

Leiam também

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorNelore na Brasa tem open bar e três toneladas de carne
Próximo artigoCuiabá concede 7% de aumento

O LIVRE ADS