ALMT convoca ex-secretário réu para liderar debate sobre consciência e valores humanos

José Lacerda deve presidir uma Câmara Setorial proposta pelo deputado Dilmar Dal Bosco - e ela não é a primeira

(Foto: Demóstenes Milhomem / ALMT)

Um grupo de servidores e uma sala da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) serão ocupados dentro dos próximos dias com um debate que – segundo definição que consta no site do próprio Parlamento – deveria ser de “relevante interesse para o Estado”.

Eles serão empregados para fazer funcionar uma Câmara Setorial Temática (CST) que terá como tema a “Consciência e Valores Humanos Universais”.

A proposta foi do deputado estadual Dilmar Dal Bosco (DEM), que indicou o ex-secretário de Estado José Esteves Lacerda para comandar o grupo de trabalho.

José Lacerda foi secretário de Meio Ambiente do governo Silval Barbosa e hoje é réu em uma ação penal oriunda da Operação Seven.

Deflagrada em 2016, a operação investigou uma suposta fraude na desapropriação de uma área rural que já pertenceria ao Estado. A suspeita é de prática dos crimes de peculato e lavagem de dinheiro. O prejuízo para os cofres públicos: R$ 7 milhões.

“Consciência e Valores Humanos”

A CST proposta por Dilmar Dal Bosco ainda não foi instalada. Segundo o deputado, depende de um aval da Mesa Diretora do Parlamento.

Mas o democrata sustenta se tratar de um assunto importante a ser debatido. Tanto que sua primeira ideia foi tentar uma Câmara Setorial “mista”, se possível, até com o Congresso Nacional.

Perguntado o que exatamente será tratado nesse grupo, Dilmar falou sobre o uso da tecnologia e como ela tem afastado as pessoas.

“Hoje, os jovens, e até a gente, vivem grudados no celular, no WhatsApp. Tem pai que fala com o filho só pela Internet”, respondeu, pontuando que os “valores humanos” tem se perdido.

Para o deputado Dilmar Dal Bosco, CST da Consciência vai ter uma grande repercussão (Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Câmara Setorial Temática

Segundo definição que consta no site da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, uma Câmara Setorial Temática serve para “diagnosticar, estudar e debater temas de relevante interesse para o Estado”.

Também no portal é possível encontrar a lista das que estão em andamento – elas são 10 – e das que foram concluídas ou arquivadas há pouco tempo outras 10.

Entre os assuntos debatidos nelas estavam ações para simplificar o sistema tributário do Estado, desenvolver o setor do turismo, soluções para o superendividamento de pequenos produtores rurais e questões ligadas ao saneamento básico nas cidades de Mato Grosso.

A desembargadora Maria Erotides, por exemplo, foi membro da CST que debateu os direitos das mulheres (Foto: JL Siqueira / ALMT)

O próprio Dilmar Dal Bosco já sugeriu alguns temas como a correta destinação de resíduos sólidos (lixo) e de animais mortos e a lei da pesca que em trâmite no Parlamento.

“Quando nós trazemos especialista para debater um assunto, o produto final é sempre bom”, sintetizou o deputado, destacando que quer uma equipe “técnica” também para abordar o tema da consciência e valores humanos.

E o José Lacerda?

Conforme Dilmar Dal Bosco, o ex-secretário se envolveu na questão dessa Câmara Setorial por já ter um longo trabalho a respeito do tema. Mas essa não foi a única. Pelo menos outras três CST já foram presididas por Lacerda no Parlamento.

Segundo a reportagem do LIVRE apurou, o ex-secretário não recebe pagamentos por isso. A própria concepção das Câmaras Setoriais foi pensada para gerar o mínimo de custos ao Poder Legislativo.

Todas as pessoas que participam dos debates são voluntárias e os encontros realizados, em média, uma vez por mês. Ao final, a regra prevê a apresentação de um relatório que, como já é praxe, acaba dando origem a algum projeto de lei.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

1 COMENTÁRIO

  1. Acho eu que poderia chamar pessoas comum como dona de casa trabalhador que ta na rua sentindo aumento da violência deveriam ver a opninião. Popular não só de autoridades. Afinal quem sofre primeiro tudo isso é o povo

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMato Grosso já arrecadou R$ 23,9 bilhões em impostos em 2019
Próximo artigoMãe flagra o marido na cama abusando do filho de seis anos