Alexandre César diz que sente “vergonha”, mas não explica origem do dinheiro

Alexandre César

O procurador e ex-deputado estadual Alexandre César (PT) se pronunciou em nota sobre as gravações feitas em que ele e outros parlamentares de Mato Grosso aparecem recebendo dinheiro. Na delação, o ex-governador Silval Barbosa (PMDB) afirmou que o dinheiro era de mensalinho que ele pagava deputados para apoiar o governo.

O ex-deputado disse estar em “estado de constrangimento, vergonha e irresignação” e contestou a delação de Silval Barbosa e Sílvio Corrêa, negando que tenha recebido proprina em troca de apoio dentro da Assembleia Legislativa. No entanto, Alexandre César não explicou a origem do dinheiro recebido no vídeo.

Veja a nota de Alexandre César na íntegra:

“A angústia, a indignação e a frustração da sociedade brasileira são plenamente compreensíveis diante das imagens divulgadas em rede nacional, a partir de quinta-feira. As cenas são terríveis e não sei se justificáveis. Mas, mesmo assim, apresento minha manifestação neste momento, ainda que influenciada pelo estado de constrangimento, vergonha e irresignação em que me encontro.

Esta não é a primeira vez que minhas imagens aparecem em rede nacional em denúncias acerca da minha conduta. Em 2004, após ser derrotado no segundo turno da eleição para prefeito de Cuiabá, fui acusado de praticar caixa 2 em razão da vultuosa dívida que ficou da campanha. Ocupei por meses seguidos a primeira página dos jornais (especialmente aos domingos) e as manchetes dos programas de rádio e TV em Mato Grosso. Respondi por 5 anos uma ação penal eleitoral no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MT). Fui absolvido por unanimidade, o que valeu somente algumas notas nos jornais.

Ao final do mandato de deputado estadual exercido até janeiro de 2015, exaurido e frustrado pelo modelo político-eleitoral do país e pela nossa inércia em enfrentá-lo, decidi não mais me candidatar. Retornei aos cargos de professor e procurador do Estado e dei sequência ao programa de doutorado que curso (e espero conseguir terminar).

Assim, apesar de não poder antecipar os argumentos fático-jurídicos relativos ao caso, que serão apresentados nos momentos processuais adequados em razão da complexidade dos fatos que me envolvem e a praticamente todo o espectro político-institucional de Mato Grosso, afirmo que a versão dada pelos delatores (ex-governador e seu chefe de gabinete) de que me pagavam propina mensal para assegurar apoio parlamentar na Assembleia Legislativa não é verdadeira. Os fatos não se deram nem da forma, nem ao tempo e tampouco nos valores anunciados.

Por fim, é imperioso registrar que, apesar dos vazamentos seletivos de gravações ardilosamente armadas, continuo acreditando que há uma ordem constitucional no processo – investigação, instrução, julgamento e sentença – que deve ser respeitada. Quando se inverte esta ordem, processando, julgando e condenando em poucos segundos, não há como se fazer Justiça.”

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorGardenal estragado
Próximo artigoEnvolvidos em delação de Silval serão punidos de forma exemplar, diz MP