Águas Cuiabá produz 98 bilhões de litros de água tratada em 2020

Concessionária responsável pelos serviços de saneamento na Capital de MT amplia entregas à população; novo ano será marcado por avanços na cobertura de esgoto

Foto: Assessoria

Quase 100 bilhões de litros. Esse é o volume de água tratada e distribuída pela rede pública de abastecimento às comunidades de Cuiabá no ano de 2020. O volume total de 98 milhões de metros cúbicos de água (o equivalente a 98 bilhões de litros ou a 39,2 mil piscinas olímpicas), ainda mais expressivo num ano marcado pelo combate à pandemia, é 8% maior que o registrado em 2019. Incremento impulsionado pela entrada da nova Estação de Tratamento de Água (ETA) Sul nas operações de saneamento na Capital de Mato Grosso e por medidas de combate a perdas na rede pública de distribuição da Capital.

A ampliação na oferta de água aos mais de 200 bairros da área urbana e às comunidades rurais de Nossa Senhora da Guia, Sucuri, Aguaçu, Coxipó do Ouro e Pequizeiro (na divisa com o município de Santo Antônio de Leverger) é um dos indicadores que refletem os ganhos em saneamento numa das cidades mais antigas do Brasil.

O resultado em escala operacional passa por investimentos robustos consolidados desde 2017, quando a Águas Cuiabá, empresa controlada pela Iguá Saneamento, assumiu os serviços de água e esgoto na cidade. Já foram injetados na cidade mais de R$ 500 milhões, sendo R$ 205 milhões em melhorias no serviço de tratamento e fornecimento de água. As cifras incluem a substituição de redes e a construção de uma nova estação de tratamento, considerada uma das maiores obras de engenharia do país, com capacidade de tratar 65 milhões de litros de água por dia.

O restante do montante foi investido, majoritariamente, na expansão da cobertura de esgoto, que terá em 2021 um novo ciclo de frentes de obras na cidade, conforme antecipa a concessionária. Termo firmado com a Prefeitura Municipal de Cuiabá prevê a ampliação da cobertura de esgotamento sanitário para o patamar de 91% ao final do ano de 2024. De 2017 para 2020, esse percentual já passou de 51% para 64%.

Qualidade comprovada – Ganho em quantidade e, também, em qualidade. Em 2020, um novo laboratório de qualidade de água foi implantado, junto à ETA Sul. Esses laboratórios fazem, diariamente, um profundo ‘Raio-X’ de qualidade, conferindo segurança ao consumo humano. Ao final do ciclo do uso da água, o efluente processado nas estações de tratamento de esgoto também é analisado antes de seguir seu curso por rios e córregos. Cuidado integral com a comunidade e a sustentabilidade ambiental.

As amostras são submetidas a vários testes, com 12 diferentes parâmetros físico-químicos, sendo três bacteriológicos em água. Com esse procedimento técnico, é possível comprovar e acompanhar a qualidade e a eficiência do tratamento. Entre os testes, pode-se constatar ou descartar a presença de microrganismos prejudiciais à saúde, como coliformes e Escherichia Coli, identificar níveis de turbidez (presença de materiais em suspensão), de cloro residual e outras substâncias. Os procedimentos seguem os protocolos do Ministério da Saúde e os resultados são reportados às autoridades competentes, conforme prevê a legislação.

“Num ano tão difícil, marcado pela pandemia, temos o orgulho de dar o nosso melhor em prol da saúde dos cuiabanos. Inovamos, investimos e chegamos ao final do ano com um excelente resultado operacional. Temos em Cuiabá um sistema de saneamento cada vez mais abrangente e eficiente, proporcionando serviços mais modernos, mais qualidade de vida aos moradores e cuidado com os Rios Cuiabá e Coxipó e córregos da cidade. Isso é sustentabilidade integral, como deve ser”, destaca o diretor-geral da Águas Cuiabá, William Figueiredo.

Investimento quatro vezes maior – Em meio ao incansável combate aos efeitos da pandemia, um dado chamou a atenção para os avanços do saneamento em Cuiabá. A Capital mato-grossense se posiciona como a segunda do país em maior volume de recursos aplicados em saneamento por habitante, na ordem de R$ 250,06, atrás somente de Natal (RN), com R$ 250,32). O número é quatro vezes maior que a média nacional, de R$ 62,43 por morador.

O indicador consta de estudo feito pelo Instituto Trata Brasil, organização referência em saneamento no país. Entre as capitais do Centro-Oeste, Cuiabá tem a maior média de investimento por habitante, seguida por Brasília (R$ 88,86), Campo Grande (R$ 80,12) e Goiânia (R$ 53,84). Para efeitos de comparação, a média apresentada pelas cidades da região é de R$ 72,40 por morador. Os dados são referentes aos investimentos registrados no saneamento nas mais diversas localidades brasileiras no ano de 2017 e estão detalhados no Painel Saneamento Brasil, disponíveis no site www.painelsaneamento.org.br.

(Da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPolícia Penal em MT
Próximo artigoBrincadeira de criança… e de adultos! Zé da Pipa abre nova loja na 24 de outubro