Água: reservatórios do Centro-Oeste chegarão ao final de julho com 1/4 da capacidade

Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) apontam para baixa do armazenamento por conta das mudanças climáticas

Brasília - Lago da barragem de Santo Antonio do Descoberto, que abastece boa parte das cidades satélite da capital, está com o nível de água bem abaixo do esperado (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

O nível dos rios que abastecem as hidrelétricas deve continuar abaixo da média histórica nesta semana, segundo prevê o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). De acordo com o relatório da instituição, todas as regiões do país apresentam os reservatórios com níveis abaixo da média histórica, sendo as regiões Sul, Centro-Oeste e Sudeste com a situação mais delicada.

A previsão é que a região Sudeste, em conjunto com a Centro-Oeste, terminem o mês de julho com os reservatórios em 26% da capacidade. Ou seja, quase um quarto do total.

Já a região Sul deve ficar com os reservatórios com 45% da capacidade. Enquanto isso, o Nordeste deve terminar o mês com 53% da capacidade e a região Norte com 80% dos reservatórios cheios.

Em entrevista à jornalistas estrangeiros, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, comentou a crise hídrica no Brasil.

“A crise hídrica não ocorre só aqui no Brasil. Isso evidentemente é um processo de mudança climática. E temos que considerar que a crise hídrica não está generalizada no Brasil. Ela está concentrada particularmente na região Centro-Oeste e no Sudeste que concentram 70% da capacidade de armazenamento”, disse o ministro.

Comparações e previsões

Estima-se que o regime de chuvas do país neste ano seja o menor dos últimos 90 anos. O governo, inclusive, lançou uma campanha para o consumo consciente de água e luz, mas descartou a possibilidade de racionamento.

O ONS prevê que o consumo de energia deve crescer 3,7% este mês em relação a julho do ano passado. Essa alta é associada aos crescimentos das atividades do comércio, serviços e também da produção industrial.

Além disso, o ONS estipulou que o custo marginal de operação, que é o valor gasto para atender a produção da energia, deve ser de R$ 1.030 por megawatts hora, um aumento de 7% em relação à semana passada. Diferença que pode ser explicada pelo aumento do consumo de energia gerada pelas termelétricas, que custam mais caro.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorModelo cuiabana morre no Chile ao cair do 12º andar
Próximo artigoCovid: diário da vacina #41