AGU cobra R$ 1,1 bilhão de infratores ambientais em Mato Grosso

Estado acumula 35 anos contra desmatamentos ilegais na floresta amazônica e lidera ranking nacional desde setembro de 2019

(Foto: Christiano Antonucci/ Secom-MT)

A Advocacia Geral de União (AGU) está cobrando R$ 1,1 bilhão de proprietários rurais em Mato Grosso por desmatamento na área da Amazônia Legal. Mato Grosso é o Estado com maior acumulo de ações contra atos ilegais desde que o órgão criou a Força Tarefa em Defesa da Amazônia, em setembro de 2019. 

São 35 ações, que somam a cobrança de R$ 1,1 bilhão pelo desmatamento de 52,1 mil hectares. Desse valor, R$ 226,8 milhões já foram bloqueados pela justiça. 

Em uma ação, a força-tarefa garantiu o bloqueio de R$ 130,7 milhões de quatro infratores ambientais de Gaúcha do Norte (600 km de Cuiabá) pelo desmatamento de mais de 9 mil hectares da Amazônia. 

Em segundo lugar vem o estado do Pará, com 33 ações e a cobrança de R$ 876,5 milhões pela degradação de 44,1 mil hectares. Parte desse valor, R$ 80,7 milhões, também já foi bloqueado. 

O Amazonas, com 21 ações e cobrança de R$ 478,6 milhões pela devastação de 24,6 mil hectares, é o terceiro estado com mais ações. Lá, a equipe da força-tarefa obteve o maior volume de recursos bloqueados, com R$ 458,3 milhões. 

A AGU já ajuizou 114 ações civis públicas e cobrou mais de R$ 2,6 bilhões de infratores ambientais desde a criação da força-tarefa. Os processos são movidos contra cerca de 230 acusados pela devastação de 135 mil hectares da Amazônia Legal, em Mato Grosso, Pará, Amazonas, Roraima, Rondônia, Maranhão e Acre. 

Com base nessas ações, a Justiça já determinou o bloqueio de bens e valores de mais de R$ 776 milhões de grandes desmatadores.  

“Os valores bloqueados são garantia para a futura execução da sentença, para evitar que os réus se desfaçam do patrimônio e aleguem que não podem executar o projeto de recuperação. Então, a Justiça bloqueia esses bens, que ficam como garantia”, explicou a procuradora federal Gabriela Ayres Furtado, integrante do grupo. 

O trabalho da força-tarefa tem o objetivo de garantir recursos para recuperação dos danos ambientais causados, além do pagamento de indenização por danos morais coletivos, caso os infratores venham a ser condenados. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorBolsonaro sanciona lei que regulamenta repasses do novo Fundeb
Próximo artigoParecer favorável no STF