Agrotóxicos: deputados pedem dispensa de pauta e irritam autor de projeto

Lúdio Cabral propôs a proibição da aplicação aérea de agrotóxicos em Mato Grosso

(Foto: Fablício Rodrigues/ALMT)

Um pedido inédito de dispensa de pauta, que faz com que um projeto tramite de forma mais célere, irritou o deputado estadual Lúdio Cabral (PT) na sessão vespertina desta quarta-feira (22), na Assembleia Legislativa. Autor da proposta, que busca proibir a aplicação aérea de agrotóxicos em Mato Grosso, o petista afirmou que sequer foi consultado sobre o requerimento.

A ideia partiu de lideranças partidárias e resultou em um pedido de vista do petista ao próprio projeto. Lúdio usou da estratégia para o texto não entrar em votação e haver mais tempo para discutir a proposta em plenário.

“Não imaginei que o tema fosse suscitar esse medo gigante nos gigantes. Que vergonha! Estou pronto para fazer o debate sobre a proibição, mas é vergonhoso o comportamento de certos parlamentares, a covardia, o medo de fazer o debate público. É lamentável. O que queremos é tempo para debater com profundidade, estamos coletando assinaturas em todos os municípios. Isso é falta de respeito”, declarou.

Na tribuna, depois que a dispensa de pauta já havia sido aprovada, Lúdio questionou exaltado quem havia sido o autor. “Quem está articulando isso? Quero saber quem é o autor. Isso não se faz, eu sequer fui consultado. Isso é triste, lamentável, vergonhoso, covardia”, disse, pedindo desculpas logo depois pela forma como reagiu, mas reforçando sua indignação.

Em meio aos questionamentos do petista, Xuxu Dal Molin (PSC) fez uso da tribuna para rechaçar o projeto, que disse não ser condizer com a realidade do Estado. “Nenhum lugar do Mundo usa o termo ‘agrotóxicos’, usamos ‘defensivos agrícolas’ e essa proibição é um absurdo, um contrassenso técnico, não dá para entender. Nós vivemos de produção agrícola, esse projeto não ajuda em nada nosso Estado, não fala a verdade, pode prejudicar milhões de empregos e a economia do Estado. A preocupação é válida, mas não podemos criar uma falsa impressão”.

Xuxu assegurou ainda que é possível conviver “muito bem” e de “forma sustentável” com defensivos agrícolas. “O município de Sorriso é um grande produtor de mel e tem a maior frota aérea para defensivos agrícolas”, argumentou.

Num aparte, Valmir Moretto (PRB) ressaltou a dificuldade de se utilizar maquinário nas lavouras no período chuvoso. “A engenharia estudou tanto para ajudar a produtividade e essa Casa querer tirar essa produtividade. Tudo isso já tem regulamento e a necessidade de que seja cumprido com muito rigor e técnica”.

Em contraponto aos posicionamentos contrários e favoráveis à matéria, Toninho de Souza (PSD) destacou a importância de se debater o assunto. “Independentemente de concordar ou não com o projeto, eu entendo que a discussão pode gerar um fator positivo. Acredito que proibir é algo muito radical, o defensivo é necessário para a agricultura, mas vejo que poderia surgir um projeto referente à quantidade, à fiscalização em campo. Defensivo é um nome mais leve para veneno, mas isso é necessário”.

Em relação aos pedidos, a presidente da Assembleia Legislativa, Janaina Riva (MDB), ponderou que o requerimento de dispensa de pauta protocolado por terceiros realmente foi inusitado, mas tem previsão regimental e, na sequência, concedeu vista de cinco dias a Lúdio Cabral. O prazo é o máximo previsto no regimento interno do Legislativo.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPolícias cumprem 31 mandados contra quadrilha que atuava no Oeste de MT
Próximo artigoAlimentação saudável: clínica realiza curso gratuito sobre culinária detox

O LIVRE ADS