Agredida, grávida se vinga quebrando para-brisas do caminhão do marido

Ela ainda pensou em atear fogo no veículo, mas mudou de ideia e resolveu chamar a polícia e denunciar o marido

Briga de casal, violência, mulher

Uma jovem de 27 anos, agredida pelo marido, de 31 anos, resolveu se vingar na noite desse domingo (31) quebrando o para-brisas do caminhão dele com uma picareta.

O caso aconteceu no Bairro Pedra 90, em Cuiabá, por volta das 22h30.

Conforme o boletim de ocorrência, a jovem está grávida de aproximadamente quatro meses. Neste domingo, ela e o marido passaram o dia na casa de parentes, onde consumiram bebidas alcoólicas.

No momento de ir embora, o suspeito teria se alterado e, por isso, a jovem resolveu ir sozinha para casa, com um motorista de aplicativo.

Ao chegar em casa, porém, o homem passou a ofendê-la com xingamentos e, em seguida, começou a agredi-la com empurrões. Ela devolveu os empurrões, o que fez com que ele a chutasse e derrubasse da cama.

Ele, então, a pegou pelo pescoço e a enforcou enquanto dizia que iria matá-la. A ação a deixou com ferimentos.

Para se soltar, ela deu um soco no nariz do marido, que começou a sangrar. Ele reagiu dando vários tapas no rosto dela, causando um corte na parte interna da boca.

Por fim, o homem pegou uma motocicleta e fugiu da casa, não sendo mais visto.

A mulher resolveu, então, se vingar. Ela pegou uma picareta e deu vários golpes no para-brisas do caminhão do marido, chegando a quebrá-lo. Ela pensou ainda em atear fogo no veículo, mas mudou de ideia e chamou a polícia para denunciar o marido pelas agressões.

Uma equipe da Polícia Militar a ouviu e encaminhou até a Central de Flagrantes de Cuiabá, onde o caso foi registrado como lesão corporal.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCom quatro mortes em 1 dia, MT soma 67 vítimas fatais da covid-19
Próximo artigoMT é o terceiro Estado com maior aumento de feminicídios durante a pandemia

O LIVRE ADS