|Quarta-feira, 14 novembro 2018

Blogs & Colunas

(Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Afinando os instrumentos

Não valem mais os discursos de campanha feitos no calor da eleição que buscavam somente a vitória. Agora é baixar a bola e tratar de encontrar soluções

COMPARTILHECOMPARTILHE

Há um cheiro forte de mudança no ar. Ao aceitar o cargo de superministro da Justiça e Segurança, Moro deu na primeira entrevista coletiva um exemplo a ser seguido: mostrou porque aceitou renunciar magistratura por um bem maior. Claro, conciso, indicando claramente que não será um carimbador das decisões do Planalto, mas sim um interlocutor com ideias próprias – a maioria já colocadas à mesa para que pudesse dar ao Brasil não só a continuidade da Lava Jato, mas também um projeto maior de que a mesma se transformasse em uma política de Estado. Era tudo que o cidadão brasileiro e a imprensa gostariam de ouvir.

Daí à implantação das mesmas há um longo caminho a ser percorrido. Não valem mais os discursos de campanha feitos no calor da eleição que buscavam tão somente a vitória. Agora é baixar a bola e tratar de encontrar soluções exequíveis para que o sonho de um novo Brasil não se perca na retórica inflamada do vamos passar uma borracha e, a partir de 2019, os problemas deixarão de existir como num passe de mágica.

O Presidente, por força da realidade, já começou a agir – e isso é altamente saudável – quando começa a recuar de posições tomadas e que se tornam inviáveis na prática. O recuo da fusão dos ministérios da Agricultura e Meio ambiente, a briga desnecessária para a mudança da embaixada de Tel Aviv para Jerusalém, causando reações imediatas no mundo árabe, a reforma da previdência, a relação com o Congresso que, na democracia, não pode ser levada à base de “prensas” aos parlamentares, com a consciência de que existe uma distância enorme entre o possível e o desejável, além de uma primeira derrota sofrida no Senado com o aumento concedido, fora de hora, ao Judiciário.

As escolhas dos membros que comporão a sua equipe por hora estão dentro do desejável. Afinar os instrumentos, porém, para que a orquestra esteja afinada no início do concerto, sob pena de se transformar num espetáculo horrendo, é fundamental para iniciarmos uma travessia que será longa e cheia de obstáculos. Está claro no coração do brasileiro o desejo de uma virada de página na história.

Não queremos mais – e as urnas mostraram de forma avassaladora – que a corrupção, a falta de políticas sociais, o aparelhamento do Estado causaram o maior desarranjo econômico e financeiro jamais vividos.

A disposição de manter uma relação de respeito com os Poderes ficou clara na frase por ele emitida na solenidade, no Congresso, em comemoração aos 30 anos da Constituição Federal, de que o Norte da democracia é esta Constituição que ali era homenageada. Um claríssimo sinal de que não veio para cumprir pautas tão utilizadas pelos seus inimigos na campanha.

Agora é aguardar e torcer muito para que, com apoio daqueles que não desejam o quanto pior, melhor, possamos ser acariciados pelas mudanças que embalaram nossos sonhos em anos tão desesperadores.

Governo de MT

A mudança de comportamento também começou por aqui. O governador eleito, Mauro Mendes, diferente do seu antecessor, parece ter claro que suas ações, quando busca o diálogo com os Poderes e a sociedade organizada, respeitando a independência de cada um, poderá fazer Mato Grosso sair do descrédito, do déficit escandaloso deixado pela gestão anterior. Deverá ter tempo e condições, para, diferente da campanha, escolher os melhores temperos que darão um sabor especial a essa nova e difícil missão a ser enfrentada.

Uma das possibilidade de sucesso de Mauro Mendes, jamais colocada em prática por qualquer outro governador, é aproximar-se de fato de sua bancada federal e não apenas daqueles que lhe são mais próximos. É a bancada federal que unida lhe dará musculatura e sustentação aos pleitos endereçados ao governo federal. Qualquer governador deveria reunir-se mensalmente com seus parlamentares. Jamais deveria ir a Brasília sem antes comunicar ao coordenador da bancada da sua agenda, para que todos pudessem acompanhá-lo e dar mais peso às suas reivindicações. Mesma regra que deveria valer para os Secretários de Estado que poderiam contar com parlamentares a seu lado dando força nos seus pedidos.

Os deputados estaduais também deveriam ser contemplados pela atenção do Chefe do Executivo: se a cada viagem aos municípios tivesse a companhia dos parlamentares da região, teria um relacionamento muito mais saudável com a Assembléia Legislativa com muito mais facilidade para aprovar as suas mensagens. Evitaria em muito o toma lá dá cá.

Todos prometem e nunca cumprem, caindo sempre na armadilha de ter, ao longo do governo, uma perda de tempo enorme com decisões finais que, na maioria das vezes, não são harmoniosas. Fica a dica.

*Advogado, analista político e ex-parlamentar estadual e federal

COMENTÁRIOS

  1. O Presidente Bolsonaro vai dar o tom, mas cada um tem que fazer a parte que lhe cabe.
    Análise concisa e precisa!
    Mandou bem, de novo, Ricarte!

Deixe um comentário

Please enter your name here
Please enter your comment!

DESTAQUES

Bairro Cuiabá História Municípios Policia
Bombeiros fazem simulação de resgate em veículo submerso na ponte Mário Andreazza
Prefeitura aposta em embelezamento urbano para fomentar o comércio e o turismo
Comércio e bancos não vão emendar o feriadão; veja o que abre e o que fecha
Assembléia Legislativa Câmara Municipal Eleições 2018 Governo Judiciário Partidos Prefeitura
Zeca Viana acusa deputados de receberem propina para acabar com as CPIs sobre sonegação
Promotora de Justiça diz que defensor não é homem e pode ser afastada do cargo
Botelho arquiva pedido de afastamento do governador Pedro Taques
Agricultura Agropecuária Economia Agrícola Indicadores Agrícolas Pecuária Tecnologia Agrícola
Zeca Viana acusa deputados de receberem propina para acabar com as CPIs sobre sonegação
Leilão Nelore Água Fria em Marabá oferta 100 touros PO e 5 mil bezerros
Tereza Cristina tem encontro com Bolsonaro e almoço com deputados
Artes Cênicas Artes Plásticas Artesanato Cinema Comportamento Cultura Popular Gastronomia LIteratura Música
Japonês paga R$ 65 mil por cerimônia de casamento com um holograma
Festival de cinema traz a Cuiabá sete clássicos do terror japonês em novembro
Papai Noel Pantaneiro chega ao 3 Américas neste domingo em “parada natalina”
Corrupção Economia Eleições Estados Política
Lula presta depoimento em Curitiba no processo do sítio de Atibaia
Bolsonaro se reúne hoje com Maia, embaixadores e governadores
Em reunião com Bolsonaro, Mauro Mendes planeja pedir mais recursos para MT
Concurso Dicas Estágio Vagas de Emprego no Mato Grosso
Últimos dias para inscrição em concurso com salário de até R$ 18 mil; veja oportunidades
Concurso público: MT tem mais de duas mil vagas; salários chegam a R$ 18 mil
Termina neste domingo inscrição para concurso da Prefeitura; salários chegam a R$ 5 mil
X