Afinal, os cientistas já descobriram quanto tempo dura a imunidade contra a covid?

A "pergunta de um milhão de dólares" ainda depende de tempo para ser respondida, mas algumas pesquisas já trazem dados animadores

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre )

Parece que já “faz 84 anos”, mas não, ainda não se passou tempo o suficiente para responder a pergunta que todos se fazem: se eu já tive covid-19 ou fui vacinado, quanto tempo essa imunidade vai durar?

Nesse pouco mais de um ano de pandemia, muita gente já pegou a doença duas ou até mais vezes. Entretanto, como novas cepas do coronavírus estão em circulação e não há estudos que acompanhem esses reinfectdos, não é possível dizer se o problema foi o fim da imunidade ou a mutação.

Uma reportagem publicada no site Gazeta do Povo afirma que os cientistas vêm a reinfecção como “pouco comum”. E alguns já encontraram indicativos positivos em pesquisas. A imunidade contra a covid-19 dura, até onde se sabe, cerca de 11 meses.

Foi o que concluíram pesquisadores da Universidade Washington, nos Estados Unidos, após avaliarem 77 pacientes que contraíram a forma leve da doença.

Outra pesquisa, publicada na revista científica Cell, ainda apontou que – ao contrário do que se imaginava inicialmente – quem contraiu a forma grave, não deve ter a mesma sorte.

Ao analisarem os corpos de pessoas que morreram de covid-19, estes cientistas descobriram que o coronavirus causou uma “confusão” no baço, onde os anticorpos são produzidos e, justamente por isso, o corpo não conseguiu conter o avanço da doença.

Imunidade duradoura?

Ainda de acordo com a reportagem, os cientístias não descartaram por completo a hipótese de se contrair uma imunidade duradoura, ou seja, pelo resto da vida contra a covid-19.

Eles já descobriram que nossos organismos são capazes de produzir “células de memória” contra o coronavírus. Elas ficam alojadas na medula espinhal e continuam produzindo anticorpos por – até onde tivemos tempo de descobrir – 11 meses.

Essa produção, no entanto, é em quantidade considerada baixa para afirmar que uma pessoa contaminada nunca mais contrairá a doença.

O mais provável, então, é que após um certo tempo, seja possível voltar a se reinfectar, mas com o organismo já conhecendo o vírus e, portanto, podendo dar uma resposta mais rápida.

Isso significa dizer que, num futuro (talvez próximo) poderemos, de fato, dizer que a covid-19 é só uma gripezinha.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPolícia identifica mortos em operação de captura a ladrões de banco em MT
Próximo artigoEmpresária agride, ofende e joga urina em PMs ao ser presa em Curitiba