Advogado afirma que não participou de compra suspeita de teste chinês para covid

Advogado afirma que ex-sócio participou de licitação no Distrito Federal onde foram encontrados indícios de fraude de R$ 30 milhões

(Foto: Reprodução/G1)

O escritório do advogado Diogo Egídio Sachs, em Cuiabá, foi alvo da segunda fase da Operação Falso Negativo, deflagrada nessa terça-feira (25) pelo Ministério Público do Distrito Federal. 

Membros do Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco) cumpriram mandado de busca e apreensão de documentos do sócio no escritório, o advogado Grione Marana. 

O MP afirma que Grione Marana faria parte do grupo de empresas importadoras que teriam fraudado mais de R$ 30 milhões na compra de teste para a covid-19 em licitação da Secretaria de Saúde do Didtrito Federal. 

Documentos e computador foram apreendidos durante a ação. Mas, segundo Grione Marana, a implicação de seu nome na investigação pode também ter sido outra causa.

Ele diz que, pelas informações que possui até o momento sobre o caso, sua empresa pode ter sido usada para dar “aspecto de legalidade” à fraude cometida. 

Ele é sócio da empresa Marana Service, que recebeu habilitação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para comprar equipamentos médicos no exterior e revender no Brasil. 

O advogado afirmou que a investigação encontrou uma proposta de sua empresa nos documentos componentes da licitação no Distrito Federal. E que teria sido o único contato formal. 

Contato  

A aproximação indireta com as empresas investigadas na Falso Negativo teria ocorrido nas semanas de pico de contágio da covid-19 no Distrito Federal. Segundo ele, representantes de trades o teriam procurado para negociar a importação de testes da China. 

“Eles perguntaram se podia fazer o registro junto à Anvisa para receber a liberação de compra internacional. Fiz uma proposta e enviei para as trades, mas nunca recebi o retorno e imaginei que, se não houve retorno, não havia interesse em fechar o negócio. Esse foi o contato”, afirmou. 

Antes, a empresa já estava em processo de atendimento ao Distrito Sanitário de Cuiabá. A entrada na concorrência teria sido impulsionada pela oferta de empresários de financiar o primeiro contrato para receber pagamento com juros. 

“O plano era começar com uma demanda pequena, que no caso era o Distrito Sanitário, para depois passar a um contrato maior. O contato com as trades fez o plano B saltar para o plano A, mas não foi concluído porque não houve retorno. E os empresários que tinham feito a oferta menor também desistiram”, afirma o advogado. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAntônio Joaquim também pede ao STF para retornar para o TCE
Próximo artigoDiferenças entre cifose, lordose e escoliose, os desvios mais comuns na coluna